Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

31
Jan20

Ó "Evaristo", tens cá disto?


Pedro Azevedo

Matheus Nunes marcou este golo hoje em Coimbra. Na semana passada, no Estoril, fez a prodigiosa assistência que se pode observar no vídeo em anexo. É caso para perguntar: Silas, há melhor que o Matheus no plantel principal? O nosso treinador lá vai dizendo que Matheus está quase, quase, mas a hora parece nunca mais chegar a este "Pátio das Cantigas" (o Jesé que o diga, sem aspas)... 

31
Jan20

O senhor dos anéis


Pedro Azevedo

Nani, Bas Dost, Raphinha, Domingos Duarte, Matheus Pereira, Bruno Fernandes (Acuña que se cuide...) OUT! Rosier, Ilori, Eduardo, Jesé, Fernando, Neto (tanto nervosismo...) IN!

 

Vão-se os anéis, ficam os dedos? De que mão?

 

P.S. Ponta de lança? O Pedro Mendes já está inscrito e há um rapaz no Varzim (Leonardo Ruíz) que é nosso e é só o melhor marcador da 2ª Liga. Por falar em emprestados, lembram-se do Daniel Bragança? A ideia não era sair a jogar de trás? 

varandas1.jpg

31
Jan20

Não digam que não avisei


Pedro Azevedo

Após os 12 788 espectadores que estiveram em Alvalade na última segunda feira terem vindo confirmar uma média de assistências significativamente inferior à de anos anteriores, ademais em jogo que já se previa poder ser de despedida de Bruno Fernandes, recupero aqui um Post de 30 de Junho de 2019 que aborda(va) questões como o preço dos bilhetes de época, a mobilização geral dos sócios através de uma comunicação eficaz, o défice de Cultura Sporting que está na origem da confusão que se produz entre sócio e cliente e a ausência de uma política destinada aos jovens que não passe só pela Bancada Sul. Não esquecendo que o momento da equipa de futebol, o dia da semana ou as condições meteorológicas (temas não abordados nesta reflexão) têm muita influência, aqui fica "Venha-viver-uma-experiência-radical - Um estádio às moscas":

 

"A Lei da Procura diz-nos genericamente que o preço e a procura estão inversamente relacionados. Quando o preço de um bem ou serviço sobe, o poder de compra diminui e os consumidores mudam para bens ou serviços mais baratos (efeito de substituição). Considerando o rendimento limitado, essa realocação de bens e serviços dependerá de preferências, restrições orçamentais e de escolhas, podendo ainda se dar o caso de o consumidor deixar simplesmente de consumir o tipo de bem ou serviço, especialmente se não for de primeira necessidade. 

 

Olhando para a última estatística disponível no site da Liga, verificamos que o Sporting teve uma média de 33 691 espectadores nos seus jogos em casa durante a temporada de 2018/19, o que corresponde a uma taxa de ocupação de 66,73%. Ora, não deixando de considerar que vários portadores de gamebox não compareceram a todos os jogos e que a taxa de ocupação não reflecte, como tal, o que foi realizado economicamente (apesar das "borlas" poderem compensar este valor), não deixa de ser notório que, em média, 1/3 do estádio não teve ocupação, com consequências óbvias em termos económicos, de apoio à equipa de futebol, na Cultura corporativa, identidade do clube, peso institucional, patrocínios, etc. Perante este cenário, dever-se-iam criar condições para que se aumentasse rapidamente a taxa de ocupação do estádio até à sua máxima capacidade, de forma a que, então sim, quando a optimização fosse atingida, se pudesse começar a manusear para cima a variável preço. Porém, a realidade da Gamebox 2019/20 demonstra o contrário, com particular incidência no sacrifício que é pedido às Famílias, por via do aumento significativo registado no escalão sub-11 (a que se pode acrescentar a realidade dos dias de hoje, em que os jovens ficam até mais tarde em casa dos pais e deles são dependentes até pelo menos terminarem os estudos universitários - por volta dos 23 anos - e entrarem na força laboral, o que aumenta os encargos das Famílias). 

 

Antes de mais, e com o estádio ocupado a apenas 2/3, não faz sentido os preços aumentarem. Isso quanto muito poderia em teoria fazer sentido se a subida do preço viesse acompanhada de um aumento de produção de lugares - o que num estádio de futebol é impossível dado que a sua capacidade é limitada (a não ser que fosse proposto cobrir o fosso com mais espaço de bancada) - , ou uma melhoria de produção de eventos, do tipo de uma presença na Champions, algo que infelizmente também não acontecerá. Adicionalmente, do ponto-de-vista político, é uma medida impopular, inoportuna e imprudente, o que julgo não carecer de explicação. Finalmente, analisando pelo prisma da Cultura sportinguista, oferece-me dizer o seguinte: vários anos de ausência de títulos relevantes produziram uma diminuição da militância, mas, curiosamente, não causaram erosão sensível na base de apoio de simpatizantes, adeptos e sócios, tendo estes últimos, inclusivé, vindo a aumentar nos últimos anos. Tal deveu-se em boa parte a um factor distintivo dos sportinguistas: a capacidade que os pais têm tido de passar o amor ao clube aos seus filhos, de uma forma estóica e resiliente, o que tem permitido manter o impacto social do clube. Ora, em minha opinião, esta subida de preços mais sentida no escalão sub-11 é contraproducente a vários níveis, na medida em que em vez de estimular o reforço da presença do agregado familiar no estádio (com consequências positivas até no ambiente nas bancadas, recuperando tempos idos e diversificando o entusiasmo por diferentes sectores do estádio) acabará por o mitigar, porque obrigará em muitos casos a um "downgrade" de lugares com o impacto que isso tem em termos de curva de satisfação e experiência Sporting e, finalmente, porque nalguns casos pais e filhos trocarão o lugar na bancada por um lugar no sofá junto ao televisor, por a taxa marginal de substituição de satisfação do progenitor não pressupor a vantagem de ir à bola com o filho em detrimento de abrir mão de lugares de Categoria 1/2, por exemplo.

 

Há quem use o argumento de que alguns sócios compravam gamebox em nome dos filhos e iam eles aos jogos. Krugman e Wells levantaram a questão de se saber se os indivíduos na busca do seu interesse próprio contribuiriam para o interesse da sociedade no seu conjunto e o caso referido parece indicar que não, mas isso são questões que se deverão resolver com regulação (no caso, fiscalização à entrada através de cores de cartões diferenciadas).

 

Gostaria de terminar, com um reparo ao folheto de promoção do Cartão Gamebox que me chegou às mãos ontem. Nele está contida uma relação explícita entre o amor ao clube e os números que marcam a relação, como se tudo o que conta pudesse ser contado. Há mesmo uma alusão à "dimensão do teu amor". Eu acho triste esta mensagem que poderá não ser muito bem recebida por quem seja sócio há pouco tempo, tenha gamebox há poucos anos, ou seja simplesmente um simpatizante, pois há aspectos que vão desde a distância geográfica, idade, doença, disponibidade profissional, situação financeira, entre outras, que são condicionantes mas em nada prejudicam o amor ao clube. Até estou perfeitamente à vontade dada a minha ligação longa de sócio e portador de gamebox, mas deixo aqui uma nota em jeito de conselho para quem queira ouvir: os sócios são o maior activo do clube. Estes são movidos pela paixão, independentemente das suas circustâncias pessoais. Pensem nisso, no que esses sócios podem dar ao clube e, em primeiro lugar, envolvam-nos no dia-a-dia através de uma Comunicação sóbria, elucidativa, inspiradora e virada para dentro. Depois, sim, um sócio feliz, o elo emocional, a compra por impulso trará o cliente, o qual mais facilmente visitará a Loja Verde se for ao estádio (e menos resistirá ao consumo perante um pedido expresso de uma criança). Ver as coisas ao contrário, no momento débil em que nos encontramos, em que precisamos de nos focar no que nos aproxima e não no que nos afasta, não é muito auspicioso.  

 

P.S. Seja como for, podendo haver quem legitimamente conteste o arrazoado que aqui deixo, creio que numa coisa estamos todos de acordo: este tipo de alteração de preços nunca deveria ter acontecido sem a explicação do seu "porquê". Infelizmente, no Século XXI, continuamos a ter empresas a comunicar o que fazem, como fazem, esquecendo-se da razão das coisas. É que o porquê das coisas é que cria a ligação emocional no sócio, quiçá cliente. No caso concreto, esta subida de preços deveria ter sido acompanhada de um discurso galvanizador do tipo do de Kennedy nas portas de Brandenburg, mas que simultaneamente mostrasse consciência (acusasse a recepção) do sacrifício que se está a pedir às pessoas.

P.S.1. O título deste texto é obviamente provocativo, única e exclusivamente com o propósito de fazer reflectir quem tem responsabilidades no clube. A minha renovação de gamebox será feita como habitualmente. E estou certo que a maioria dos portadores de gamebox tentará, consoante as suas possibilidades, se adaptar.

P.S.2. Um sub-23 (sub-11 também) que compre um lugar de época junto às claques (Categoria 6) gastará cerca de metade do que se acompanhar o seu pai num lugar de Categoria 1/2. Depois admirem-se. Dado todo o histórico recente, não deveríamos ter um Pelouro da Juventude que estudasse estas questões, que aumentasse a oferta aos nossos jovens em vez de a tornar mais redutora, mais própria de um "guetto"? O momento que o clube viveu muito recentemente não nos deveria prestar particular atenção ao segmento mais jovem?

P.S.3. Paralelamente, e atendendo às alterações demográficas em Lisboa, que trabalho está a ser desenvolvido para seduzir os milhares de residentes não-habituais (gamebox) e de turistas (bilhética jogo-a-jogo) com que esbarramos diariamente? Não faria sentido uma campanha de charme junto de embaixadas, consulados, câmaras do comércio, hóteis, etc?" 

30
Jan20

Bruno, a revolta do Fado


Pedro Azevedo

Foi assim... (Texto de 30/6/19.)

 

Quando observo Bruno Fernandes, eu vejo um menino a fugir ao seu destino. Os seus olhos tristes são reminiscências de um passado sem tempo para sorrir, por cedo ter trocado o ócio pelo ofício, convertendo o brinquedo-bola na arte da sua labuta diária; a sua impaciência, ou permanente insatisfação, ilustrativa de quem não quer chegar atrasado ao encontro com o futuro, pretende ganhar tempo ao tempo e assim vencer para sempre o fatalismo tão português.

 

Se Maradona foi "la revancha del tango", Bruno é a revolta do fado. Ao contrário de d10s, não chegou a Itália como um ídolo de multidões. Não foi ensinar nada aos italianos, mas sim aprender. A distância do pé para a bola, a alavanca da perna, o aproveitamento do peso do corpo, lições úteis da arte de bem rematar que estudou com os mestres transalpinos. Aí também entendeu melhor o jogo, as nuances tácticas, a ocupação do espaço, a intensidade na recuperação de bola. De Novara a Udine, até chegar a Génova, cidade de Colombo e ponto de partida para uma gesta gloriosa com uma primeira escala no porto de abrigo de Alvalade. 

 

Nestes dois anos de leão ao peito tenho-o visto muitas vezes carregar a equipa às costas, marcar 2 golos decisivos como na jornada dupla da Taça de Portugal com o Benfica: o primeiro para alimentar o sonho, o segundo para o tornar realidade, momentos paradigmáticos do jogador em quem as bancadas depositam a esperança em novos dias de glória. Focado como é, aquele ar zangado que permanentemente exibe não esconde a noção de que transporta o peso do mundo sportinguista aos seus ombros, as nossas ambições, os nossos anseios. Dele esperamos sempre o inesperado, o paradoxo do intangível, a fé que não se explica. Ao longo dos anos tivemos grandes jogadores, mas nenhum foi tanto uma equipa como Bruno Fernandes. Ele ataca, ele defende, ele adverte, ele comanda, ele nunca se rende. Marca livres, cantos, penalidades, é o dono da bola. À sua volta todos melhoram, todos ficam mais confiantes, inspirados por este operário-artista, tão capaz de tocar o bongo como de produzir música celestial.

 

Com ele em campo não há derrotas antecipadas, Adamastor e suas tormentas. Ele é a Boa Esperança, o trevo-de-quatro-folhas encontrado para lutar contra a impossibilidade, a desconfiança e a descrença. 

 

E agora, como será? Começa a lenda... Boa sorte, Bruno! Obrigado! Sporting sempre!

BF LINZ.jpg

29
Jan20

E depois do adeus


Pedro Azevedo

Bruno Fernandes está de saída para o Manchester United e a pergunta que se impõe é como será o futuro desportivo e financeiro do Sporting após a despedida do maiato. Se do ponto de vista desportivo há um óbvio enfraquecimento de qualidade, em termos financeiros a SAD dos leões deverá conseguir fechar a época 19/20 com um Resultado positivo. O problema coloca-se daí para diante. Com um défice estrutural nos Resultados (Operacionais+Amortizações) de cerca de 65 milhões de euros anuais, a SAD está obrigada no actual contexto a vender jogadores todos os anos para suprir esse "gap". O problema é que começa a faltar qualidade no plantel que o permita: Acuña, depois de Bruno o nosso jogador mais valioso, terá um valor de mercado de 20 milhões de euros e Mathieu, outro jogador de qualidade, já não tem um valor de mercado relevante devido à idade. Acresce que os jogadores contratados desde Janeiro de 2019 ainda não mostraram estar num patamar competitivo que lhes proporcione uma rápida valorização e os jovens da Academia não têm tido oportunidades significativas que lhes permitam desenvolver-se desportivamente e futuramente ver a sua cotação subir. Assim sendo, ficam mais expostos os erros cometidos nas janelas de transferência do ano passado onde investimos 40 milhões de euros que a valores de mercado actuais deverão valer seguramente menos. Como resolver então o problema estrutural não emagrecendo Custos com Pessoal (continuam a valores incomportáveis) e FSEs (a subir)? Vender toda a equipa não será solução...

 

P.S. Uma eventual não qualificação para as provas uefeiras só acentuará o problema.

bruno fernandes.jpg

"E depois do amor

E depois de nós

O adeus...

O ficarmos sós"

28
Jan20

Tudo ao molho e fé em Deus - À noite em Alvalade


Pedro Azevedo

O fim de semana trouxe a triste notícia do desaparecimento de "Black Mamba", um dos melhores jogadores de sempre da NBA. Kobe era também um grande entusiasta de futebol e do AC Milan, consequência de aos 6 anos de idade ter acompanhado o pai, também profissional de basquetebol, quando este abandonou a NBA para jogar em Itália. A morte de Bryant fez-me pensar o que seria o desporto sem os grandes atletas e o quão importantes estes têm sido na divulgação e crescimento das diversas modalidades. É curioso, pois no Sporting há quem cultive o "zero ídolos", o que na prática vale por dizer que para alguns um Eduardo merece a mesma consideração que um Bruno Fernandes. Como nestas coisas sempre fui um bocadinho desalinhado com as tendências, apesar da noite chuvosa peguei em mim e desloquei-me a Alvalade para ver mais uma das putativas despedidas do Bruno.   

 

Peter Handke escreveu "A angústia do guarda-redes no momento do penalty", obra muito aclamada pela crítica. O austríaco, nóbel da literatura em 2019, não deve conhecer bem a realidade leonina. Se a conhecesse teria o guião perfeito para um novo Best Seller: "A solidão de um adepto num estádio de futebol". Em Alvalade habitualmente estamos sozinhos mesmo quando acompanhados por muita gente. O ambiente geral maniqueísta, o niilismo e o conformismo que perpassa as bancadas assim o determina, bem como a forma como se desprezam símbolos do clube como o hino que entoa com o jogo já a decorrer. Mas ontem o sentimento de solidão foi literal, tão poucos eram os adeptos nas bancadas: o "Hoje em Alvalade..." calou-se para descanso dos tímpanos massacrados pela habitual ruidosa verborreia proveniente dos altifalantes do estádio, mas segundo a SICn estiveram em Alvalade 12 788 espectadores, cerca de 25% da capacidade total do recinto. Enfim, a união parece estar a avançar a toda o gás. Desconfio é que o gás seja letal...

 

Exibição pobre, paupérrima até, apenas abanada com a entrada de Jovane Cabral. O caboverdiano, numa cruzada contra o preconceito da falta de qualidade da Formação, realizou mais em 20 minutos no campo do que todos os colegas (excepção talvez a Bruno) no tempo inteiro. Na retina ficou a construção do único golo validado do jogo - como diz o adágio popular, à terceira foi de vez - , uma série de fintas no espaço de uma cabine telefónica que culminaram num livre directo em posição auspiciosa e um remate que só o inefável Rui Costa - pois é, o amarelo não assenta bem a jogadores habituados ao clima temperado das ilhas - não viu ter sido deflectido pelo persa que habitou a baliza insular. A novidade foi o Borja ter marcado um golo. No resto do jogo dedicou-se ao inconseguimento habitual, alternando momentos de fulgor como deixar um adversário prostrado no relvado com tacadas na bola directas à linha lateral. Mas, ao fim de 365 dias por cá, já perdeu o medo de entrar na área. Chutou a 10 metros da baliza, com o guarda-redes no chão, e acertou na baliza. Logo foi incensado por todos e à saída até ouvi dizer que o Acuña já podia ir embora. Bem sei, estava uma chuva de molha-tolos...

 

O Sporar estreou-se. Não parece ser um Slimani como cheguei a ver anunciado em programas televisivos. Antes se assemelha a um Volfswinkel. Nas movimentações e na silhueta. Nota-se que procura o espaço, ataca a profundidade mesmo não sendo muito rápido e não é de lutar pela bola na área. Mas tem um remate forte e colocado e combina bem com os colegas. Dir-se-ia ser um avançado centro, não fora a denominação em Alvalade já estar tomada por um tal de Jesé.

 

O resto do jogo foi tão emocionante que me dediquei a pensar nas singularidades da vida lusa. (É o que me acontece geralmente quando o José Alvalade se transforma numa espécie de campo de desconcentração.) À atenção do Dicionário Priberam: em Portugal, semântica é sinónimo de conveniência. Senão, vejam bem: a discussão do momento é entre o que é um "hack" e o que é um "leak". Parece que o Rui Pinto é um "hacker" e o Assange publicou uns "leaks" provenientes de uns "whistleblowers". Depois, há dois tipos de "hackers", podendo até os dois coexistir na mesma pessoa. Por exemplo, o Pinto vira Robin dos Bosques aquando dos Luanda Leaks, mas é um perigoso pirata informático se estivermos a falar do Benfica. É o que médicos e criminalistas denominam de intrigante caso de bipolaridade cibernética. Entenderam? Eu também...

 

Uma última palavra para aquele senhor que tem sempre os máximos ligados quando faz os editoriais do Jornal Sporting: menos... (Iluminismo e iluminação não são bem a mesma coisa.)

 

Valha-nos que a relva ainda é verde...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Jovane Cabral

jovane 1.jpg

24
Jan20

Declaração de interesses


Pedro Azevedo

Li, ouvi, senti o que tem sido dito e escrito por aí sobre mim e naturalmente tal não me foi indiferente. Por outro lado, não sou insensível ao facto de o Sporting ter no presente momento uma Direcção em legítimo exercício de funções, facto só por si suficiente para ser extemporânea a assunção de qualquer compromisso meu em relação ao repto que me foi simpaticamente lançado. 

 

Seja como for, e essa é a matéria desta declaração, a partir de ontem deixou de ser para mim despiciendo a interpretação que os Leitores possam fazer de razões de interesse pessoal que me assistirão para comentar de uma determinada forma. Por isso, para memória futura relacionada com os comentários que for fazendo no "Castigo Máximo", gostaria de deixar claro o seguinte: não me movo contra pessoas, movo-me sim por ideias que se consubstanciam num ideário e, se quiserem, num projecto a favor do Sporting. Como tal, o que escrevo não é por oposição a alguém, mas sim pró-Sporting. 

 

Todos os meus comentários têm uma raíz comum, raíz essa publicada durante o mês de Maio de 2018 no blogue "És a nossa FÉ", onde apresentei um resumo das minhas reflexões sobre o que entendi (e entendo!) deverem ser os pilares do Sporting Clube de Portugal: Sustentabilidade, Cultura (corporativa) e Princípios (ética). Logo, se os meus comentários à actualidade leonina adquirem um tom porventura mais crítico, tal resulta do incontornável facto de a realidade presente contrastar muitíssimo (para não dizer estar nos antípodas) com as reflexões que eu - produto do amor ao clube e da visão que resulta de uma experiência profissional de 30 anos que sempre privilegiou o processo como meio de obtenção do resultado - há mais de um ano e meio atrás publiquei, oferecendo-as (e partilhando-as, na medida em que ninguém possui a verdade absoluta e nenhum homem é uma ilha) aos na época candidatos às eleições do clube e a todos os Sportinguistas que as quisessem ler. 

 

Por tudo isto, creio que resulta óbvio que os meus comentários não se traduzem numa oposição sistemática, ou de conveniência, a ninguém. Igualmente, também gostaria que resultasse absolutamente claro para quem me lê que o meu apoio foi, é e será primordialmente ao Sporting (e à sua perenidade), sempre o bem maior - independentemente de quem conjunturalmente o represente - e a todo o Universo Sportinguista que bem carenciado está de esperança e crença.

 

Por sempre na minha vida ter tido como imperativo a transparência, aqui ficou a minha declaração de interesses.

 

VIVA O SPORTING! 

22
Jan20

Tudo ao molho e fé em Deus - "Marxismo-Leoninismo"


Pedro Azevedo

Um homem pensa já ter visto tudo na vida até ao momento em que chega o dia em que se depara com a insólita situação de ter de observar a equipa por quem dispara o seu coração entrar em campo coxa e toda inclinada para a esquerda, qual Titanic à beira de afundar. De facto, do meio-campo para a frente só com uma ala, o Sporting pareceu um carro sem direcção(!), em sub-viramento constante para a esquerda. Dada a tendência, após o "keynesianismo-keizerismo" que marcou um consulado anterior, é caso para dizer que Silas instaurou o "marxismo-leoninismo". A coisa se não fosse trágica até daria vontade de rir. Afinal, o que nos resta fazer quando o nosso lado direito se transforma no prolongamento da A1 com a A3 e, após o rectificarmos ao intervalo com a entrada de Bolasie, o congolês se faz expulsar infantilmente ao fim de 15 minutos? 

 

Dizem-me alguns com olhos doces (olá Régio!) que o Sporting precisa de tempo, enquanto também eles procuram ganhar tempo. Mas não basta ganhar tempo, é preciso saber-se o que fazer com ele. Nesse sentido, o Sporting destes dias faz-me lembrar uma camisola que em tempos descobri na cidade brasileira de Natal e que tinha inscrita a seguinte mensagem: "comecei uma dieta e em duas semanas perdi... 15 dias".

 

Estamos fora das taças nacionais e no campeonato distamos 19 pontos do primeiro classificado. Olhando para a época passada, eu diria que o tempo não nos está a fazer nada bem. É que se me dissessem no Verão que ao fim da primeira volta estaríamos equidistantes em pontos de Benfica e Aves, eu julgaria que os avenses haviam sido comprados por um excêntrico multimilionário árabe estranhamente apaixonado pelos jesuítas do Concelho. Porém, a realidade é bem diversa e hoje ficou bem patente em Braga, onde durante todo o jogo o grande pareceu ser o Sporting local e não o (enorme) Sporting de Portugal. Porque se na etapa complementar ainda pode haver a desculpa da expulsão de Bolasie, no primeiro tempo o nosso lado direito foi um bar aberto que só não deu mais prejuízo devido aos brandos costumes da cidade dos arcebispos. (Já se sabe que bar aberto dá sempre confusão no fim e por 1 minuto já não fomos a tempo dos 'shots ' de penaltis.)

 

O Sporting é um clube cujo futebol se crê assentar sobre brasas. A Formação então deve estar assente num bico de bunsen. Por isso, não quisemos queimar o Demiral, o Domingos Duarte ou os Matheus, da mesma maneira que, com todo o enlevo, hoje também não queremos queimar o Quaresma. E, para não queimar os jovens da nossa Academia, vamos esturricando as sinapses dos dedicados Sportinguistas e depauperando as nossas frágeis finanças ao ritmo das "contratações cirúrgicas". No entretanto, não temos Quaresma mas já temos a Via Crúcis, o que não deixa de ser invulgar mesmo tendo em conta que se trata do nosso clube. As estações são catorze e nós já atingimos a trágica décima segunda. Resta esperar agora pela ressurreição (do clube, porque de Frederico Varandas apenas espero que com toda a dignidade retire as devidas consequências políticas). Haja fé! Sporting sempre!

 

P.S.1: 21 (de Janeiro) e uma capicua: 12 derrotas...

P.S.2: Até o santo do Mathieu, grande profissional e um senhor, já perde a cabeça...

P.S.3: No final do jogo, Mathieu deslocou-se ao balneário do Braga para pedir desculpa ao nosso ex-atleta Ricardo Esgaio. O gaulês, que no dia em que sair me vai deixar muitas saudades, apesar da inicial atitude irreflectida, mais uma vez demonstrou ser alguém portador dos verdadeiros valores do Sporting (se é que ainda alguém se lembra do que isso é).  

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes

brunofernandesBRAGA.jpg

21
Jan20

A causa das coisas(*)


Pedro Azevedo

Recupero aqui um Post escrito em 15 de Junho de 2019 que ainda me parece estar actual. Faço-o na expectativa de despertar consciências, na Direcção e sócios e adeptos do clube, na esperança de que num dia não tão longínquo possa ser perceptível que o Sporting tem um rumo, um timoneiro e umas velas equipadas para beneficiar do vento de popa trazido por um povo irredutível na sua resiliência que só necessita de ser orientado para soprar o seu sportinguismo na direcção certa. Aqui vai, então:

 

Como se depreende do título de um livro escrito por Miguel Esteves Cardoso que marcou a minha geração, nada acontece por acaso. Existem sempre causas que explicam as coisas. No caso do Sporting, a situação até é mais complexa: existem causas e coisas (como no livro do MEC), e é o não sermos fiéis às nossas causas que em parte justifica as coisas que nos acontecem. Confusos? Vou tentar explicar adiante. 

 

Contextualizando, irei recorrer ao antigo presidente João Rocha. No seu tempo, a nossa causa era compreendida por todos. Era não só visível em teoria, mas também na prática. Falamos da aposta na Cidade Desportiva, no ecletismo do clube como forma de influência social e de prestígio nacional e internacional. Nesse tempo, só se gastava o que havia. O que não havia era Passivo, pelo que a maior ou menor qualidade da equipa de futebol reflectia o dinheiro disponível no início de cada época. Se era necessário reforçar outras modalidades, construir uma nova bancada onde anteriormente havia o peão, ou criar um novo pavilhão (Nave, por baixo da Bancada Nova) em virtude do desaparecimento do antigo (devido ao interface do metro), então já sabíamos que iríamos perder competitividade no futebol, pois as nossas fontes de financiamento eram essencialmente as quotizações dos sócios e os milhares de praticantes/pagantes de ginástica e natação. Ainda assim, num período (13 anos) que coincidiu com a afirmação do Sporting como maior potência desportiva nacional - creio que em 1980, o jornal A Bola atribuiu um prémio (Taça Stromp) ao clube mais eclético do país, baseado nas classificações obtidas por cada clube nas diferentes modalidades, que o Sporting venceu com mais pontos do que todos os outros clubes juntos - o Sporting ganhou 3 títulos de campeão nacional de futebol, a que juntou outras tantas Taças de Portugal e duas Supertaças, num total de 8 troféus conquistados no desporto-rei.

 

Sendo que o ecletismo era a bandeira de João Rocha, a Formação no futebol não era descurada. Pese as péssimas condições em termos de infra-estruturas (um campo pelado, face a 6/7 relvados que o benfica tinha junto ao estádio da Luz), o Sporting começou a produzir bons jogadores com alguma regularidade, essencialmente devido a um conjunto de treinadores/oheiros de eleição onde se destacavam Aurélio Pereira, César Nascimento e Osvaldo Silva. Foi assim que mais jogadores provenientes dos juniores começaram a aparecer na equipa principal. A uma primeira fornada composta por Freire, Ademar, Virgílio, Carlos Xavier, Mário Jorge e Pedro Venâncio, seguiu-se uma outra que incluía Paulo Futre, Litos e Fernando Mendes. 

 

Durante os anos que medearam entre a saída de João Rocha e o projecto Roquette, o Sporting foi progressivamente perdendo a sua hegemonia nas modalidades. Primeiro no basquetebol, que já vinha em queda desde os tempos de Rocha (secção suspensa em 82 e reactivada na 3ª divisão em 84), depois nas restantes. Em sentido contrário, a Formação de jogadores foi ganhando outra preponderância, surgindo uma nova geração de talentos composta por Figo, Peixe, Paulo Toreres, Poejo e Porfírio. Com a Nova Ordem, várias modalidades terminaram e a nossa causa passou a ser quase exclusivamente o futebol. Apenas andebol e atletismo se mantiveram, o primeiro por decisão dos sócios em referendo, o segundo devido ao prestígio do Professor Moniz Pereira, o qual ainda assim não foi suficiente para que o novo estádio contemplasse uma pista de atletismo. Não houve pista, mas houve fosso entre adeptos e equipa, literal e metafóricamente falando, algo que já se vinha agudizando desde a criação da sociedade anónima desportiva. A influência dos sócios foi trocada pela dos accionistas e os orçamentos começaram incrementalmente a contemplar capitais alheios provenientes de financiamentos bancários. 

 

A perda de protagonismo do ecletismo foi compensada pelo investimento na Formação. Mais especificamente na criação de infraestruturas que pudessem complementar o trabalho competente realizado por profissionais qualificados nos escalões mais jovens. Surgiu assim a Academia de Alcochete, obra de que Quaresma, Hugo Viana ou Ronaldo já praticamente não usufruiram. Nessa época, o Sporting procurava ter treinadores principais com um cunho formador, de forma a que melhor pudessem ser rendibilizados os talentos da Formação. Mirko Jozic e Lazlo Boloni são exemplos disso. 

 

Não deixa de ser curioso que as únicas duas vezes, em 40 anos, que o Sporting fez a dobradinha no futebol tenham ocorrido quando teve treinadores (Allison e Boloni) que apostavam na Formação. Pelo contrário, quando se tornou um interposto de jogadores trazidos por um Scouting duvidoso e se colocou nas mãos de empresários, o clube bateu no fundo. 

 

O primeiro mandato de Bruno Carvalho teve o mérito de ressuscitar a bandeira do ecletismo e de voltar a mobilizar os sócios. Compreendendo que a distância era um factor não difusor do sportinguismo, o pavilhão das modalidades foi construído. Durante um determinado período, os sócios foram vistos (correctamente!!) como o maior activo do clube e este foi reerguendo-se. Infelizmente, aos poucos, os contributos dos sócios começaram a ser vistos com desconfiança e a crítica construtiva vista como se partisse de uma oposição organizada, pelo que a liderança, até aí inspiradora, foi tornando-se mais e mais musculada. Até acontecer o que todos sabemos.

 

Todo este arrazoado serve para concluir que nem sempre fomos fiéis às nossas causas. Na minha opinião, a fidelidade a essas causas será determinante para o futuro do clube. Se o ecletismo gera influência social (uma forma de poder), associativismo e cultura de vitória, a Formação é essencial ao modelo de sustentabilidade. Como tal, qualquer tipo de tergiversão afastar-nos-á definitivamente do bom caminho. Por outro lado, o Sporting é um clube de sócios que tem de ser para os sócios. O presidente do clube existe para fazer felizes os sócios e para criar condições de perenidade do clube. Se não, qual seria o propósito da existência de um presidente e de um Conselho Directivo? Temos de ser claros e determinados na defesa das nossas causas, porque elas são os meios necessários à nossa prosperidade desportiva e financeira e à nossa força social. Por isso, temos de adequar a prática à teoria. Não basta dizer que se aposta na Formação, há que criar condições para que isso se materialize na equipa principal. E há que ter convicções: se a Formação nos últimos anos não foi boa, por que razão continuamos a renovar contratos com jogadores de 23/24 anos que nunca tiveram oportunidades? Se esses jogadores cumpriram um trajecto na extinta equipa B e ainda assim nunca tiveram hipóteses na equipa principal, por que razão defendemos tanto a existência dessa equipa? Se os actuais juniores não têm qualidade, porquê renovar-lhes o contrato? Se o treinador principal não aposta na Formação, qual a razão porque dizemos que o contratámos pelo seu perfil de formador? E qual a razão, perante cofres minguados, para continuarmos a comprar tantos jogadores que não façam a diferença? Um clube para os sócios não deve confundi-los. Deve, isso sim, ter uma mensagem clara e que faça sentido para todos. Uma mensagem que deve ser desprovida de politiquices e que elucide os sócios. Quanto aos sócios, estes devem colocar o clube acima de tudo. Às vezes olho para o Sporting e parece-me um partido político, cheio de prosélitos deste e daquele. Não se pode construir nada polarizando pela negativa, como também não se pode governar muito tempo escorado no anti-qualquer coisa, mas sim pela força de um projecto. As ideias, e sua implementação, têm de se traduzir no dia-a-dia do clube. O meio-caminho não é um caminho. Na vida, os atalhos saem sempre caros. A nossa história, recente e menos recente, assim o diz. Mas há uma vantagem muito grande em falhar: a aprendizagem que se recolhe. O erro é fundamental na vida. Por razões de insegurança, os portugueses repudiam o erro. Por isso, em Portugal, a culpa morre sempre solteira. Mas errar é bom (ao contrário da inacção, que é radical), nomeadamente se se traduzir em aprendizagem para o futuro. Agora, sermos autistas, não lermos os sinais, não analisarmos o processo, é ficarmos à espera que um dia os resultados nos mostrem como estávamos profundamente ilusionados. Porque, tal como ensina Kundera (adaptando à nossa realidade), é desta insustentável leveza do ser sportinguista que se faz o peso da nossa existência de muitos anos sem campeonatos e sem sustentabilidade. 

 

Não podemos continuar a sacrificar a próxima geração em função do próximo jogo. Não se pode adiar o inadiável em função de putativos resultados imediatos. O importante na vida é o processo. Os resultados podem disfarçar no curto-prazo a falta de estratégia. O problema é que quando os resultados deixam de aparecer ficamos com uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma. Assim é o Sporting: a meio caminho entre a pesada herança e os 40 milhões de euros investidos num ano sob a presidência de Frederico Varandas. Gastando onde não se deve, acabamos sujeitos a ter de vender quem tem qualidade, enfraquecendo cada vez mais a equipa. Num ciclo não-virtuoso. A Formação? Segue dentro de momentos. Primeiro, um pequeno interregno para compromissos comerciais. 

 

(*) Republicação

virgílio.jpg

21
Jan20

O melhor e o pior de Silas


Pedro Azevedo

Numa época desportiva em que estamos confinados a uma tacinha e  ("wishful thinking" no topo) a uma participação mais ou menos relevante na Liga Europa é natural que a insatisfação dos sócios e adeptos leoninos aponte em todas as direcções. Evidentemente, Silas, como treinador do Sporting, também não está fora do ponto de mira. No entanto, serão justas essas críticas? Na minha opinião, sim e não. Sim, porque entendo que Silas nem sempre faz as escolhas certas, ou, pelo menos, as escolhas adequadas à nossa realidade. Nesse aspecto, nota-se demasiado conservadorismo, insistência em jogadores que se desconcentram e falham em momentos decisivos das partidas, falta de aposta consistente em jovens que objectivamente não são piores que muitas das contratações do último ano e sistemáticas substituições durante o jogo que não têm beneficiado a equipa (pese embora a condicionante da falta de profundidade de soluções). Esses são pontos negativos. Por outro lado, após algumas experiências, o treinador conseguiu estabilizar um sistema táctico e organizar um modelo de jogo que disfarça as evidentes lacunas do plantel como foi visível no Derby e Clássico, para além de comunicar e fazer-se entender melhor a sócios e adeptos que qualquer elemento da Estrutura. Esses são pontos positivos, que até poderão vir a ser potenciados por um pouco mais de golpe de asa. Acresce que Silas, apesar de estar consciente disso quando aceitou o irrecusável repto da SAD leonina, não escolheu o plantel nem teve ainda oportunidade de pôr o seu cunho pessoal nos remendos que serão necessários fazer. A verdade é que estamos a dia 20 de Janeiro e a poucos dias do fecho de Mercado de Inverno nada se alterou, "está tudo como dantes no quartel de Abrantes". É certo que quando a imprensa dá a entender que Silas pretende mais um defesa eu fico confuso e irritado. Confuso, porque um profissional deve entender as condicionantes da entidade que lhe paga, irritado porque provavelmente ninguém lhe transmite uma das marcas identitárias do clube (conjuntamente com o ecletismo), a Formação. Já perdemos Demiral e Domingos Duarte porque sucessivos treinadores e direcções entenderam que ainda não estavam prontos. Em vez deles escolhemos Marcelo, Ilori ou Neto. Depois, imediatamente antes de se lesionar com gravidade, o turco já tinha mandado para o banco um craque holandês contratado pela Juventus por 70 milhões de euros e Domingos foi escolhido para o Onze Revelação da Liga espanhola. Podia dar outros exemplos, mas a falta de estratégia de uma Direcção a meu ver pesa mais do que os apetites de ocasião de um treinador, pelo que a ordem para apostar na prata da casa deve sempre vir de cima. A não ser que, numa lógica "bottom-up", por um bambúrrio de sorte aterrasse em Alvalade um novo Malcolm Allison, um Big Mal que exterminasse o "big" mal do Sporting actual: a falta de convicções e a obstinação em não fazer o que tem de ser feito. Infelizmente, Silas não é Allison. As suas apostas em jovens são tímidas e enfermam da mesma falta de convicção que também se sente em cima. Por isso, Rodrigo foi sempre substituído até ao intervalo e desapareceu, Matheus Nunes está próximo "ma non troppo", Pedro Mendes entra sempre como pronto-socorro como se fosse legítimo pedir a um jovem que seja bombeiro e salvador da pátria ao mesmo tempo e Quaresma é preterido por Ilori de forma a que os sportinguistas sejam "queimados" em vez dele. Se para alguns isto é aposta na Formação, o que dizer do inglês que deu um total de 187 jogos a um misto de 6 jogadores jovens formado por Carlos Xavier, Mário Jorge, Virgílio (totalista, com 45 jogos), Ademar, Freire e Alberto? Pois é... Narrativas...

 

Posto isto, desde que Frederico Varandas entrou em funções já tivemos 5 treinadores. Desde Peseiro, Tiago Fernandes, Marcel Keizer, até Leonel "sem prazo e com uma missão" Pontes todos sentiram o chicote. Inclusivé Keizer, vendido anteriormente aos sócios e adeptos como um treinador de projecto, a decisão até hoje mais coerente desta Direcção, na medida em que não havendo qualquer projecto não se justificaria que um treinador personificasse o vazio. Adicionalmente, olhando para o R&C do 1ºTrimestre desta época de 19/20 pode verificar-se que o Sporting pagou 5.4M€ em indemnizações a treinadores e jogadores. Deste modo, defendo que Silas fique até ao final da temporada ou, pelo menos, enquanto esta Direcção continue em funções. Primeiro, porque o histórico da Estrutura encabeçada por Varandas e Viana não recomenda que acertasse em nova escolha, depois porque com este plantel até Jesus Cristo teria dificuldade em replicar o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes aplicado aos jogadores de futebol. E ainda há Bruno, Acuña e Mathieu...

silas scp.jpg

20
Jan20

Remendar e preparar o futuro


Pedro Azevedo

IN - OUT

Quaresma - Ilori (empréstimo com cláusula de compra €3M)

Matheus Nunes - Eduardo (empréstimo com cláusula de compra €5M)

Nuno Mendes - Borja (empréstimo com cláusula de compra €5M)

Joelson - Jesé (fim empréstimo)

João Oliveira - Rosier (empréstimo com cláusula de compra €10M)

Amin Younes (ala, Nápoles, €7.5M) - Bolasie (fim empréstimo)

Gonçalo Inácio (subir já definitivamente aos sub-23 e treinar com os séniores para preparar a sua integração no plantel principal em 20/21)

 

OUT (definitivo)

Wendel (€20M)

Luiz Phellype (€8M)

 

IN

Daniel Bragança (interrupção empréstimo)

Gelson Dala (interrupção empréstimo)

Francisco Geraldes (interrupção empréstimo)

Mbwana Samatta (ponta de lança, Genk, €10M e concorrência do Aston Villa)

 

EMPRÉSTIMOS SEM CLÁUSULA DE COMPRA

Jovane Cabral

Miguel Luís

 

Plantel (25 jogadores): Max, Renan e Diogo Sousa; Ristovski, João Oliveira, Coates, Quaresma, Neto, Mathieu, Acuña e Nuno Mendes; Doumbia, Daniel Bragança, Battaglia, Matheus Nunes, Bruno Fernandes e Francisco Geraldes; Joelson, Rafael Camacho, Gonzalo Plata, Amin Younes, Vietto, Pedro Mendes, Gelson Dala e Mbwana Samatta. 

20
Jan20

1 ano de Castigo Máximo


Pedro Azevedo

Neste mês de Janeiro cumpre-se o 1º aniversário de Castigo Máximo. Após alguns testes efectuados em Setembro e Dezembro de 2018, Castigo Máximo arrancou com uma programação regular em Janeiro de 2019. Sendo um blogue sportinguista e destinado a sportinguistas, com um objectivo muito claro: o Sporting sempre em primeiro lugar. O meu muito obrigado a todos os Leitores!

1ano.jpg

20
Jan20

Can you hear the drums, Fernando?


Pedro Azevedo

Menos de 5 meses após a sua chegada, Fernando tem guia de marcha passada para o regresso a Kiev, cidade que é actualmente o quartel-general do Shakhtar Donetsk (joga em Kharkiv). Por cá alinhou apenas pelos sub-23. Acometido de lesões musculares e viroses, o extremo, que segundo Frederico Varandas havia sido considerado uma revelação do campeonato brasileiro, deixa o Sporting sem nunca se estrear pela equipa principal. Adoptando o jargão presidencial, é o que se chama de uma cirúrgia correctiva. Outras, idealmente, dever-se-iam desencadear ainda nesta janela de transferências. É que com tanta "contratação cirúrgica" um dia a casa desABBA...  

fernando2.jpg

18
Jan20

Tudo ao molho e fé em Deus - Apocalypse mau


Pedro Azevedo

É complicado um homem chegar a uma idade adulta e descobrir que foi enganado pelo seu progenitor durante uma vida. O mesmo que desde tenra idade me afiançou coisas que aliás de tão verosímeis à época tomei como absolutamente axiomáticas, do tipo de o Sporting ser um clube diferente para melhor, o nosso fundador ter sido José Alvalade, ou o verde ser a cor da esperança. Até que um dia um homem acorda, choca de frente com a realidade e, enquanto coloca o penso (logo existo) na cabeça e induz o método cartesiano, vê a verdade passar-lhe perturbantemente pelos olhos. E nesse processo vislumbra um clube de niilistas, provavelmente fundado por um tal de Nietzsche, onde impera o vale-tudo, não se acredita em nada e a única Esperança é a filha de um consócio vindo de Marte. 

 

No actual estado de coisas, para muitos parece ponto assente que enquanto uma nave alienígena não aterrar em Alvalade, raptar parte dos ocupantes da Bancada Sul e levá-los para experiências numa galáxia distante que envolvam nuvens de poeira semelhantes a fuminhos, estrelinhas e outras cenas psicadélicas, Varandas continuará a presidir aos destinos do clube e estaremos condenados a (des)entendermo-nos. Imagine agora o Leitor que isso só acontecerá no ano 3000. Vai ser um fartote de famílias sportinguistas a fazerem a arvore geneológica à procura do último antepassado que viu o Sporting ganhar um campeonato. Ano 3000 em que se irão perfazer 998 anos sem ver o Sporting campeão. Pensem nisto apenas como uma ideia em construção, mas, se a única razão para manter Varandas, que curiosamente tal como Nitzsche é Frederico, é a repressão às claques, então talvez fosse melhor substitui-lo por algum sportinguista com as quotas em dia que actualmente integre o Comando Geral da Polícia de Segurança Pública. É que sendo certo que parte da Bancada Sul, com um comportamento que nos enche de vergonha, é hoje o seguro de vida de Frederico Varandas, importará saber o que será no futuro próximo o seguro de vida do Sporting. Desconfio que talvez passe pela fidelidade de sócios e adeptos ao clube e por um maior escrutínio aquando dos actos eleitorais. Só assim virá a bonança. 

 

O actual Mundo Sporting divide-se entre os que não aceitam opiniões diferentes sobre o que aconteceu no passado, os que não se entendem sobre o que está a acontecer no presente e os que discutem sobre o que virá a acontecer no futuro. Aparentemente, a única preocupação de sócios e adeptos é essa: divergir. E assim darem largas ao seu desporto favorito, o maniqueísmo, a grande marca do nosso ecletismo. Entretanto, numa realidade alternativa e sem grande relevância parece que o contador do Sporting-Benfica desta época está em 0-7. E estamos a 19 pontos do primeiro lugar no Lampeonato, ainda esta popular competição criada com o único propósito de glorificar o clube da Farmácia Franco vai a meio. Não que isto evidentemente cause qualquer tipo de preocupação, pelo contrário. Um sportinguista que se preze aguarda é pela abertura da London Stock Exchange para saber como estará a cotação do activo Bruno Fernandes. Lá está, tudo isso é um sinal de progresso: em tempos idos teria sido o LSD a nos fazer navegar para uma determinada percepção da realidade, agora é o LSE. Uma evolução, portanto, na linha de uma gestão de topo sempre à procura da inovação...

 

Se as claques são o seguro de vida de Frederico Varandas, teme-se que só Silas segure Tiago Ilori. Este - informação reputada de fidedigna que recolhi "à la carte" enquanto comia um bacalhau à braz numa tasca junto a um estúdio da TVI - , é um dos 4 Cavaleiros do Apocalipse que nos vem revelar no presente as coisas que acontecerão em breve à medida que se vai desenrolando o manuscrito já composto por sete selos vermelhos. 

 

Porém, estamos condenados a estar juntos. Podemos mudar de carro, de casa, de namorada ou namorado, de emprego, cidade, país, ou até de nacionalidade, mas a natureza do amor a um clube é incorruptível. Tão incorruptível que preferiremos sempre os sócios e adeptos moderados que nos criticam, porque nos corrigem, aos que nos elogiam, porque nos corrompem. Já o dizia Santo Agostinho e é bem verdade. Sporting sempre!

 

"Always look on the bright side of life"

 

Tenor "Tudo ao molho...": Marcos Acuña

 

P.S. Apocalyse=revelação

sportingbenfica (1).jpg

17
Jan20

Triple Player


Pedro Azevedo

Silas diz que para o substituir serão necessários 3 jogadores e de facto assistir a um jogo de Bruno Fernandes é como ter acesso ao Triple Play, na medida em que ele tem voz (de comando), dados (estatísticos) e é um multi-médio (defende e ataca). Curiosamente, numa equipa (Sporting) que tem a NOS como seu patrocinador. Isto anda tudo ligado...

BF8 1.jpg

16
Jan20

Coates, Ruben e a dualidade de critérios


Pedro Azevedo

Coates coartado de jogar contra o Benfica, "Rambo" Dias limpo para defrontar o Sporting. Admito sem dificuldades que o uruguaio tenha merecido o amarelo, pese embora a sua movimentação tenha pretendido mais limitar a acção do seu adversário sadino do que propriamente tocar-lhe (não é claro sequer nas imagens televisivas que tenha tocado), já no caso do português torna-se difícil compreender como não foi visto dentro do campo o claro empurrão ao iraniano do Rio Ave (bem visível na TV). Do resultado prático disto tudo é que ninguém tem dúvidas: a falta de equidade no tratamento dos lances por parte de dois árbitros gerou uma situação clara de prejuízo do Sporting face ao rival Benfica a poucos dias do derby da capital. Num país onde a transparência fosse um pilar civilizacional, o Conselho de Arbitragem deveria dizer algo sobre o assunto, desde logo lamentando a dualidade de critérios e seu impacto imediato em prejuízo de um dos clubes e em benefício de outro, mas também dando nota de estar especialmente atento e tudo ir fazer para garantir uma maior uniformidade futura nas decisões dos seus colegiados. Mas isso seria num país onde a necessidade de transparência fosse um pilar civilizacional e um imperativo ético, por aqui achamos que uma polémicazinha à segunda-feira apimenta o interesse pelo jogo e não nos incomodamos que na opinião pública se crie a suspeição de que as assimetrias entre os clubes não existem só dentro do campo...  

coatesruben dias.png

16
Jan20

O estranho caso de Matheus Nunes


Pedro Azevedo

Um dia (antevisão do jogo com o Santa Clara) Silas diz que com elevada probabilidade ele rapidamente será opção - nomeando-o como um dos que estão mais perto de jogar pela equipa principal, com quem aliás já treina continuadamente - , num outro dia é suplente dos sub-23 treinados por Leonel Pontes na recente deslocação a Santa Maria da Feira após não ter participado nos dois anteriores jogos da mesma equipa (que aliás não ganhámos). Este é o dia-a-dia de Matheus Nunes, um jogador de quem ainda recentemente os adeptos leoninos voltaram a ouvir falar pela boca do capitão Bruno Fernandes, que referiu ser o brasileiro o jovem com mais condições de entrar na equipa do Sporting. Simplesmente, não só continua a não ser opção para Silas como agora também não joga e ganha ritmo com Leonel. Visto de fora, penso que isto carece de uma explicação. Sob pena de, não havendo, ficarmos a pensar que a articulação entre equipa principal e a Formação não está a funcionar devidamente e que isso não só não facilita a integração dos jovens ao mais alto nível como também não serve ao Sporting e à sua sustentabilidade. 

MatheusNunes.jpg

15
Jan20

O meu Sporting


Pedro Azevedo

O meu baptismo de fogo em Alvalade ocorreu no dealbar de 1976 quando Sporting e FC Porto se defrontaram num sempre eterno clássico. Até aí o meu amor ao clube foi sendo estimulado pela rádio, uma onda média face ao tsunami que me invadiu quando pisei pela primeira vez o solo sagrado daquela que viria a ser a minha segunda casa. Pode-se por isso dizer com propriedade que na minha meninice o Sporting passou de ser ouvido para ser vivido, de imaginado para testemunhado, sem que nada do sortilégio inicial se tivesse perdido mas sim reforçado. Curiosamente, a primeira recordação que tenho do Sporting é de um relato que ouvi durante uma viagem com os meus pais. O adversário era o Oriental, cujo guarda-redes curiosamente dava pelo nome de Azevedo. Do nosso lado estava o Yazalde, o índio com cara de anjo, o imortal Chirola, homem preocupado com o seu semelhante como ninguém. Menos na hora de atacar as balizas, está bom de ver, como nessa tarde em Alvalade se voltou a comprovar, com o argentino a deixar a sua marca por 5 vezes numa goleada do Sporting por 8-0. Desse ano (74), recordo-me ainda da inglória eliminação na meia-final da Taça das Taças frente ao Magdeburgo, equipa da hoje extinta República Democrática Alemã. Dois jogos que não nos correram nada bem, o de Alvalade com uma grande penalidade falhada entre um ror de oportunidades desperdiçadas e um auto-golo concedido, o da Alemanha de Leste com Tomé a desperdiçar o golo da qualificação em cima do gongo para terminar o jogo. Em ambos os jogos não pudemos contar com Yazalde, lesionado, o matador que nessa época fez abanar as redes em 50 ocasiões nas várias competições em que estivemos inseridos. Tenho também presente um derby contra o nosso rival que perdemos, mas em que Chirola fez um golo do outro mundo com um cabeceamento a 20 centímetros do chão que foi responsável por uma das últimas vidas do popular Zé Gato dos lampiões, logo de seguida substituído por Bento. Por fim, lembro-me de uma vitória saborosa no Jamor contra o Benfica, com um golo no último minuto de Chico (mais tarde Faria) que nos levou a prolongamento e a pincelada final de Marinho. Se não há uma segunda oportunidade para causar uma primeira boa impressão, ter começado a acompanhar o Sporting numa época em que fizemos uma dobradinha não poderia ser mais auspicioso na minha relação com o clube. O mesmo se poderia dizer da minha estreia em Alvalade. Não é todos os dias que se ganha por 5-1 ao Porto e eu estive lá a vê-lo ao vivo, numa época em que já não havia Yazalde mas ainda havia Chico e nascia a lenda de Manuel Fernandes. 

 

Ao contrário dos muitos jovens que hoje são adeptos ou sócios do clube, eu comecei a acompanhar o futebol numa altura em que o Sporting mostrava um ADN vencedor. E logo com uma das melhores equipas da história pós-revolucionária do clube, a qual só teria paralelo com a que Malcolm Allison formou em 82, ou com o "dream team" que Robson montou e do qual foi inusitadamente desbancado em 94. Talvez isso me tenha permitido carregar duradouras baterias de sportinguismo sem necessitar do lítio acinzentado dos nossos dias, baterias essas que me têm permitido navegar o meu sportinguismo para longe da espuma do momento e do surfar delirante na maionese que não condiz com a realidade do clube nem faz justiça ao seu passado de glória.

 

Num tempo em que o sentido colectivo das coisas se perdeu, o Sporting é o exemplo paradigmático de como as estratégias pessoais se sobrepuseram ao interesse comum e foram degradando o ADN do clube. Efectivamente, o Sporting é hoje em dia um clube onde as razões individuais se impõem à razão de um todo como se daí adviesse algo de positivo para o mundo sportinguista, em que os Melquiades de ocasião nos impingem miríficas loções de conhecimento empírico e conhecimento puro enquanto nos preparam para cem anos de solidão, e se denota a cada passo falta de sabedoria. Por isso, hoje em dia sou forçado a expressar a minha revolta vivendo única e exclusivamente o meu Sporting, aquele que é composto pelas minhas experiências e memórias, o que não se resigna, tem ídolos e referências intemporais, valoriza as ideias dos sócios e é empreendedor e renascentista, ganhando ou perdendo. O outro, o actual, não passa de um retrato de Dorian Gray, desfigurado e envelhecido pelo tempo enquanto tantos outros se revigoram. Retrato, que uma e outra vez "apunhalado", vai consumindo os sucessivos perpetradores. Até que um dia, terminado o infernal ciclo destes, possa enfim regressar definitivamente a todo o seu esplendor.  

portrait_of_dorian_gray_by_mercuralis.jpg

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Por acaso sabe (abro a pergunta a todos os Leitore...

  • Pedro Azevedo

    Muito obrigado, Miguel. Saudações Leoninas

  • Anónimo

    Boa tarde Pedro e Marcadores de Castigo MáximoAnex...

  • RCL

  • Pedro Azevedo

    Não é só uma questão de idade ou de invalidez, pes...