Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

24
Mai21

4 momentos que marcaram a época


Pedro Azevedo

Dezanove de Janeiro, o cenário é o Municipal de Leiria. Disputa-se a meia-final da Taça da Liga. Um golo trapalhão de (who else?) Marega havia adiantado o Porto no marcador. Faltam 2 minutos para se atingir o tempo regulamentar e a perspectiva é de que o Sporting obtenha o terceiro resultado negativo consecutivo, após eliminação aos pés do Maritimo para a Taça de Portugal e empate caseiro com o Rio Ave. Há, porém, um homem que não se conforma, não se resigna. Eterno patinho feio na visão de uns quantos, Jovane volta a mostrar que é afinal um belo cisne. Tudo começa quando, à entrada da área, imagina e executa um pontapé em arco que faz a bola passar por onze jogadores do Porto até anichar-se no ângulo inferior direito da baliza à guarda de Diogo Costa. Pouco tempo depois, como cisne que é, conclui de bico, na sequência de um passe de Coates que encontra Pedro Gonçalves entre-linhas para receber à vontade, progredir com a bola e desmarcá-lo no momento exacto. O Sporting ganha renovada confiança e acaba por vencer a Taça da Liga. 

 

Um de Fevereiro, o Sporting recebe o Benfica na penúltima jornada da primeira volta do campeonato. Após grande polémica, Palhinha está disponível para o jogo, mas Rúben Amorim adverte com antecedência que Matheus Nunes treinou do lado dos titulares durante toda a semana e merece ir a jogo. Dito e feito, o brasileiro fará dupla no miolo com João Mário. O Sporting dá a sensação de ser sempre mais perigoso, mas o jogo já parece estar fechado quando a bola vai e vem, da esquerda para a direita e desta para o centro, até que Matheus Nunes lhe enfia uma cabeçada que viria a ser o início da tregédia grega de Vlachodimos. A jogada de Amorim sai-lhe na perfeição: não só prova estar atento à meritocracia como vence um pretendente ao título, vitória caseira que o Sporting já há algum tempo perseguia contra o rival. 

 

Vinte e sete de Fevereiro, o Sporting desloca-se ao Dragão. Apesar dos 10 pontos de avanço, os observadores ainda veem este jogo como um teste à candidatura ao título do leão. E do Dragão sai a certeza de que há que contar com o Sporting: nulo no marcador, com a melhor oportunidade a sair dos pés de Matheus Nunes - uma brilhante arrancada desde o meio-campo que merecia uma melhor conclusão.

 

Vinte e cinco de Abril. O cenário é a Pedreira de Braga. O Sporting vinha titubeantemente perdendo gás. Para piorar o cenário, Gonçalo Inácio vê o segundo amarelo aos 18 minutos e é expulso. Mas em Dia da Liberdade o Sporting solta-se do fado do costume e com uma exibição que apela à resiliência sustém os braguistas. Até que Matheus Nunes aproveita um livre marcado por Porro, isola-se na meia direita e marca ao outro Matheus, de Braga. Um golo semelhante ao que valeu a Taça da Liga (obtido por Porro). O Evangelho segundo Matheus narra a vitória iminente na Liga. Coates faz um jogo enorme, constitui-se como um autêntico muro contra as aspirações do Braga e demonstra ser um grande capitão. De repente, todos pressentem que o título já não fugirá ao leão. 

 

Todos os jogadores foram importantes pela sua regularidade, com particular ênfase para Pote, Coates e Palhinha, mas estes foram os momentos (e os jogadores) que na minha opinião foram decisivos num contexto em que a história poderia ter sido narrada de forma diferente.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 24.05.2021

    Caro Noureddine, após vermos ontem a forma como o Benfica, em campo neutro, lidou com ter ficado com menos 1 homem desde os 17 minutos ainda valorizamos mais o brio dos nossos leões quando em Braga, no campo do adversário, tiveram de se haver com menos 1 jogador desde os 18 minutos. Enquanto ontem os benfiquistas escolheram a desculpa fácil, os nossos leões agarraram-se com tudo ao jogo, lutaram incansavelmente e lograram ganhar num lance de inspiração de Matheus. Ora, no meu entendimento (e no seu) isso precisa de ser valorizado. E, sim, foi fundamental para todos nós pormos a desconfiança de lado e acreditarmos piamente no título. Eles mereciam esse acreditar, e nós quisemos estar à altura.

    Saudações Leoninas
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes