Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

17
Out19

A "Maçã" e a Laranja Mecânica


Pedro Azevedo

Rinus Michels revolucionou todo o conceito do futebol a partir da década de 60 do Século passado. Antigo professor de ginástica para crianças surdas, Michels chegou ao Ajax em 1965, impondo um estilo de jogo sem posições fixas – Futebol Total – onde a polivalência e a versatilidade sublimavam o talento colectivo, traduzindo-se tudo isto em tremenda eficácia.

 

Embora visionário e genial, Michels necessitava que os jogadores fossem inteligentes e soubessem interpretar em campo as suas ideias. Foi então que se deu um golpe de sorte: Johann Cruyff, praticamente nascido no Ajax – o seu pai vendia fruta ao clube – despontou em simultâneo com o mestre. Cruyff aportou velocidade, intuição, objectividade e inteligência ao belo jogo dos “lanceiros”. Esta última foi a arma derradeira que permitiu tornar-se no maestro que viria a conduzir a “orquestra” do clube e da selecção holandesa (“A Laranja Mecânica”) durante uma década.

Este exemplo inspirador do “mundo da bola” deve ajudar-nos a reflectir a realidade do mundo empresarial. As empresas de sucesso são aquelas que têm uma visão e depois artistas que são os artífices da implementação dessas ideias. Tal, requer energia e um plano, uma estratégia por parte de quem dirige, mas também inteligência, capacidade de trabalho, sacrifício e superação por parte de quem implementa.

 

Vejam o exemplo da APPLE: Steve Jobs foi o pensador, o “mastermind”, o homem inspirador capaz de uma visão “out-of-the-box” (como Michels). Os bons técnicos gostam de trabalhar com quem tem ideias (uma competência) e a capacidade de as pôr em prática (outra competência). Por isso, a Apple foi capaz de atrair talento criativo para si, distanciando-se da concorrência.

Um líder necessita de um conjunto de pessoas versáteis, polivalentes, com competências diversificadas, os quais devem constituir o seu “staff” próximo. A missão do primeiro deve ser “espremer todo o sumo” que os segundos podem dar. Estes últimos deverão saber interpretar as ideias e passá-las aos “solistas”, que se quer perfeccionistas de forma a executá-las da melhor maneira.

 

Analisando os casos de sucesso vemos denominadores comuns entre líderes. No entanto, alguns segredos residem na personalidade e carisma de cada um. Já dizia Crujff, “se eu quisesse que entendessem, explicar-vos-ia melhor”.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.