Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

19
Set22

Adaptações


Pedro Azevedo

Sempre que se adapta um jogador a uma posição que não lhe é natural não só se corre o risco dessa desadequação desequilibrar a equipa como também se está a transmitir aos substitutos naturais para essa posição que não contam. É, por isso, uma opção a evitar, porque mesmo que resulte há sempre algo que tem a ver com a coesão de um grupo que se perde. Ademais, adaptar um ala a lateral é diferente de encaixá-lo como central. Um ala tem rotinas de corredor, actua predominantemente em espaços exteriores, enquanto um central tem outra cultura de preenchimento dos espaços interiores. Além disso, se para o actual sistema de Rúben Amorim (3-4-3), a posição de ala se confunde com a convencional posição de lateral (típica do 4-3-3), ter um central com 1,72m parece mirífico perante as exigências do futebol actual. Acresce que o jogador em questão já havia comprometido o ano passado nos Açores, o que não recomendaria uma nova experiência nessa posição. Bem sei que o Sporting e os Sportinguistas muito devem a Rúben Amorim e isso não deve ser posto em causa. Mas é preciso evitar que a continuação deste tipo de erros tão óbvios que adquirem uma forma ululante venha a comprometer no futuro uma avaliação globalmente muito positiva, diria até brilhante, do seu trabalho. 

esgaio.jpeg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 22.09.2022

    Além do que falou, o pobre do Gonçalo Inácio após cada substituição anda numa espécie de dança de cadeiras, da esquerda para a direita, que em nada o ajuda. O risco é o de, quando a música acaba (when the music’s over), ficar apeado (da Selecção e não só). Se em todas as posições as rotinas são fundamentais, num central então…

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Aboím

      O nome que me faltava era Duarte e o pai dele tinh...

    • Aboím

      Sou de facto do Norte (nascido em Trás os Montes) ...

    • Pedro Azevedo

      E eu a pensar que os holandeses sonhavam com tulip...

    • Pedro Azevedo

      Caríssimo Aboím, ganhámos!!! Mas podíamos ter poup...

    • Aboím

      Num comentário anterior eu deveria ter escrito (co...