Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

28
Mar19

Caro é quem não produz...


Pedro Azevedo

À atenção de quem de direito, quando se fala em ir buscar alguém que nunca nos quis, tem um ordenado astronómico e falhou nos três últimos clubes que representou (Vietto), e se diz ter-se aberto a porta de saída a dois dos jogadores com melhor rendimento nos últimos anos no Sporting (Coates e Bas Dost), aqueles que conjuntamente com Bruno Fernandes, Acuña, Mathieu, Raphinha e, vá lá, Battaglia e Wendel, constituem o núcleo duro de qualidade da equipa principal do Sporting. 

 

Caro é quem pertence a uma classe média/baixa de futebolistas e não apresenta um rendimento de acordo com o seu salário/condições de empréstimo. Como Gudelj, actualmente, ou Campbell e Markovic no passado: jogadores que, além de não provarem, têm um custo de oportunidade, pois estancam a progressão desportiva e a valorização económica de jovens com potencial interessante. Aliás, se o sérvio e o maliano Diaby são tão bons jogadores, ao ponto de Keizer não prescindir deles, certamente não teremos qualquer dificuldade em vendê-los acima do valor do investimento que representaram para nós. Ou não? Ou será que as apostas do treinador e suas consequências no modelo de sustentabilidade económica só espõem à saciedade o equívoco que foi a sua contratação? 

 

Por último, já estamos todos cansados de sondagens de opinião promovidas através dos jornais. A boa gestão implica boas ideias e convicção na sua implementação, e certamente não será a delapidar a pouca qualidade já de si existente no plantel e a manter pesos mortos que se ganhará a apreciação dos sócios. Por muito boa imprensa que se tenha e por muita compaixão que se sinta pela banalidade dos discursos. 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 28.03.2019

    Até não será mau se se considerasse Diaby um patinho feio. Significaria que um dia se transformaria num belo cisne. Os sportinguistas, meu caro, têm todo o direito de se expressar democraticamente e de dar a sua opinião. A minha é que um Sporting fiel ao seu passado não compra um jogador destes pelo preço que custou. A sua será outra, também está no seu direito.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Pedro Azevedo

      Um ano extraordinário. À Sporting. A repetir, clar...

    • José da Xã

      Amigo Pedro,este foi um ano irrepreensível. A repe...

    • Pedro Azevedo

      Boa noite, caro S. Almeida e obrigado. Eu ainda te...

    • S. Almeida

      Caro Pedro AzevedoUm bom regresso às lides, com as...

    • Pedro Azevedo

      Como dizia o Nelson Rodrigues a propósito do Brasi...