Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

30
Mar21

Exemplo devem ser os pais


Pedro Azevedo

Toda esta polémica à volta de Cristiano Ronaldo parece-me cabotina. Não só quando apressada e irreflectidamente se procuram argumentos para lhe retirar o privilégio de capitanear a Equipa Nacional, mas também ao invocar-se que o jogador deve ser um exemplo para os mais jovens em todas as suas atitudes. Atenção, eu compreendo que as agências de publicidade, os gabinetes de comunicação e as empresas de marketing procurem projectar uma determinada imagem ou narrativa que mais favoreça as pretensões das marcas que patrocinam CR7 e que este tacitamente assim o consinta, mas quem escreve ou fala sobre estas coisas deveria ter o afastamento suficiente para não se deixar contagiar nem perder a noção da realidade ou inverter as coisas. Quem deve, isso sim, constituír um exemplo na vida de um jovem e nunca se pode demitir da responsabilidade de o educar são primeiramente os seus pais, a quem cabe incutir princípios, valores e atitudes comportamentais, pelo que talvez fosse bom que esses críticos se focassem prioritariamente nas suas próprias casas e verificassem se estão a cumprir com as suas obrigações. Ademais, a um desportista, ainda mais de alta competição, compete ganhar, e isso, no calor da luta e fisica e mentalmente exausto, infelizmente nem sempre será possível compatibilizar com o melhor exemplo ou postura. Tal como ocorreu no pretérito Sábado. Desfrutemos pois até ao fim do extraordinário desportista Ronaldo e saibamos retirar apenas o essencial que o cidadão nos traz: no campo, o esforço contínuo e titânico na busca da superação, excelência e perfeição; fora dele a solidariedade para com os mais desfavorecidos. Isso, sim, será um legado de CR7, uma inspiração que qualquer jovem ou adulto retirará para a sua vida. Agora, perder tanto tempo com braçadeiras só assiste mesmo a quem não sabe nadar.

ronaldo servia 1.jpg

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 30.03.2021

    É natural, o azul é monárquico e ele é o rei. Agora, fora de brincadeiras que alguém ainda nos leva a sério: a braçadeira não é um símbolo nacional. Os símbolos são o hino nacional e a bandeira. Pelo menos é o que diz a Constituição da República Portuguesa. E podemos considerar a proteção da nossa língua como uma salvaguarda da nossa cultura e identidade. Curiosamente, na Constituição nada leio sobre braçadeiras. Esse é um aspecto. Outro aspecto é a obsessão que se cria nos media de que alguém relevante numa qualquer área de actividade, especialmente se tiver mediatismo, deve ser um exemplo, aqui considerando a globalidade de todos os seus comportamentos. Ora, isso é de todo desajustado. A educação começa nas famílias e a estas cabe não se demitiram da sua função e instruir no plano dos valores, princípios e atitudes comportamentais. Logo, eu não estou à espera que o Cristiano Ronaldo eduque os meus filhos, pelo que qualquer menos boa acção da parte dele também não os deseducará porque entretanto criaram uma estrutura forte. Procuro, isso sim, alertá-los para o valor do trabalho, a importância da resiliência, da superação, etc, e aí sim dou por mim às vezes a citar o Ronaldo e outros desportistas como alguém a seguir nesse particular. Mas isso é uma componente, pois o primordial para mim sempre foi educar os meus filhos no sentido de terem uma boa formação humana, respeitarem as pessoas pelo que elas são enquanto seres humanos e não pela sua condição, raça ou género, apelar-lhes ao sentido colectivo (e não individual) das coisas, mostrar-lhes a importância da seriedade e lealdade, entre muitos outros aspectos. E isso só uma nação à deriva é que pode imaginar ser transferível para terceiros. Uma nação ou pessoas sem noção de passagem de testemunho pela Terra.

    SL
  • Sem imagem de perfil

    Verde Protector 30.03.2021

    Os filhos são educados pelos pais, mas são também educados ou pelo menos influenciados pelas escolas, pelos professores, por amigos, por igrejas, pela família mais alargada, etc. CR7 não deixa de ser uma influência e grande para muitos jovens que procuram seguir o seu exemplo. Por isso, acho que CR7 tem de ter cuidado e responsabilidade pelos seus comportamentos, que vão constituir uma influência.
    Saudações leoninas
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 30.03.2021

    Representar a selecção de Portugal - enfim, a Federação é um entidade privada, mas assumamos que a selecção é o Portugal que vai a jogo (como diria Nelson Rodrigues) - é uma responsabilidade. Representar um clube, idem. O Ronaldo é um exemplo de profissionalismo e de preparação. De procura da superação e da excelência. Isso é uma coisa. Outra coisa é eu ter consciência da importância hoje em dia das marcas e do marketing, dos contratos publicitários, e da imagem que se projecta quase perfeita dos jogadores, imagem a que eles tentam aderir basicamente por motivos pecuniários. Ora, evidentemente todos nós, humanos, erramos e o Ronaldo não deixa de ser tudo aquilo que eu disse em cima por ter errado.

    Quanto à educação, reitero, é essencialmente um papel dos pais. Influências temos muitas, tentações idem, mas isso só reforça a importância da educação base. E da sorte, também, que todos os filhos são diferentes na sua personalidade, o que obriga a adaptar um bocadinho o discurso apesar do objectivo ser igual para todos, e têm uma coisa que se chama o livre-arbítrio. Mas eu, não tendo um interesse em qualquer empresa que o patrocina, não penso que o Ronaldo, enquanto cidadão, tenha de ter alguma responsabilidade acrescida perante o país. Se um filho meu ler William Blake ou Rimbaud, Hemingway ou Scott Fitzgerald, vai apreciar a palavra ou fazer considerandos sobre a vida pessoal deles? A vida é dele e com ela fará o que entender, não tem de ser refém de nada ou ninguém. Porém, enquanto estritamente jogador tem as suas responsabilidades e já sabe que se facilitar aparecerá outro a tirar-lhe o lugar. Por ser extremamente responsável é que chegou aos 36 anos e continua a marcar e a ser titular no clube e na selecção. Para nosso orgulho, evidentemente. Neo lhe ponhamos é um peso que lhe tire naturalidade ou o torne prisioneiro da sua própria imagem como muitas vezes acontece com tantas outras pessoas, situações que às vezes não terminal bem para os próprios.

    Saudações Leoninas
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Aboím

      O nome que me faltava era Duarte e o pai dele tinh...

    • Aboím

      Sou de facto do Norte (nascido em Trás os Montes) ...

    • Pedro Azevedo

      E eu a pensar que os holandeses sonhavam com tulip...

    • Pedro Azevedo

      Caríssimo Aboím, ganhámos!!! Mas podíamos ter poup...

    • Aboím

      Num comentário anterior eu deveria ter escrito (co...