Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

14
Mai20

Foi bonita a festa!


Pedro Azevedo

A exigência máxima começou logo na pré-época com um estágio massacrante do ponto-de-vista físico para todos os jogadores. Schmeichel, que abandonara no Verão o Manchester United com o título de campeão europeu e rumara a Portugal à procura do sol e de retemperar forças, era um dos que mais se queixava. A verdade é que essas cargas viriam a ser providenciais durante a época, com a equipa a exibir grande intensidade de jogo, facto que ainda hoje granjeia a Materazzi, que não duraria muito em Alvalade, o reconhecimento pelo seu papel no título. Depois veio Inácio, e com ele a afirmação de Vidigal e de Acosta. O plantel era curto, a substituição típica envolvia Pedro Barbosa e Toñito. Na reabertura de mercado chegaram César Prates, André Cruz e Mbo Mpenza e a equipa melhorou. As correrias pela esquerda de De Franceschi, os livres de André Cruz, os golos do ressuscitado Acosta e o dúo dinâmico do meio campo defensivo (Duscher e Vidigal) iam-nos mantendo na luta. O Sporting dava espectáculo e Schmeichel era um espectáculo dentro do espectáculo com as suas "manchas" e as broncas que dava ao pobre do Rui Jorge (grande garra). O Sporting era uma equipa compacta, dirigida por um treinador (Inácio) que conseguiu expremer os recursos à sua disposição ao máximo. Delfim caíra em batalha, Edmilson também, mas havia ainda Beto, Bino e Ayew. Chegou então a altura de salvar o primeiro "match-point" da época, a recepção ao Porto, o até aí líder da competição. Perder era proibido, empatar seria mau, mas André Cruz trocou a aritmética pela trignometria e meteu a bola no ângulo. De seguida, Acosta teve um Secretário a levar-lhe a bola até à bota e não desmereceu o seu epíteto de Matador. Estávamos à frente do campeonato. Por aí continuámos até à recepção ao Benfica, o primeiro "match-point" a nosso favor para sermos campeões. A festa foi rija, mas foi antes. Almoço alargado e bem regado nas imediações do estádio, na ilusão que tudo acabasse como naqueles contos de capa e espada em que os bons no fim vencem. Mas um toque de Sabry deu-nos uma inesperada estocada no estômago e o champanhe regressou à despensa. Uma semana depois fui a casa do Zé. Éramos talvez uma dezena, nervos em franja. Ao intervalo, zero-a-zero. O Porto não fazia melhor em Barcelos, e isso aliviava-nos um pouco o sobressalto. Até que o André afinou aquele pé canhoto mágico que Deus lhe deu e o Jorge Silva foi buscar a bola dentro das redes. Explosão na sala, havia que aliviar a tensão nervosa e vencer a angústia. Logo de seguida, o Ayew apanha um passe do De Franceschi e mete-a dentro da baliza salgueirista. Mais uma erupção, mas 18 anos de contrariedades ainda nos deixavam desconfiados. A certeza da vitória só surgiu quando o Schmeichel fez uma espargata à andebol e negou o golo ao infortunado Feher. Começou a comemoração e os golos de Duscher e André Cruz (novamente de livre directo) já foram saboreados com outra tranquilidade. Agora, a hora era de marcar restaurante. Ouvimos dizer que a equipa ia para a Câmara Municipal e fomos todos jantar ao Pinóquio. Juntou-se um saudoso amigo que, supersticioso e sentindo-se incapaz de aguentar tanta emoção, se refugiara num cinema durante o jogo. Muito nos rimos enquanto ele nos contava as infrutíferas tentativas de se dissociar do que se passava em Vidal Pinheiro, entre gritos de golo à sua volta a entrecortar a fita. Do Pinóquio seguimos para a Câmara, e da Câmara fomos em romaria atras do Iordanov. Até ao Marquês. A noite foi longa e ainda nos unimos a outros amigos que optaram por ir a Alvalade, que a festa aconteceu em estéreo mas duas rectas paralelas encontram-se sempre no infinito... da noite. A noite que não queríamos que acabasse. Nunca. Ai que saudades, meu Deus, que saudades... Há 20 anos atrás o Sporting sagrava-se campeão nacional, 18 anos de espera depois. Soube-me pela vida!

sporting 19992000.jpg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 15.05.2020

    Caro FV, aquele dia foi de uma felicidade imensa, maior até que os festejos do título de 2002, porque interrompemos uma seca de vários anos e ganhámos o campeonato na sequência de uma vitória nossa no campo. (Em 2002 lembro-me de ter ido festejar para a entrada do Radisson, onde a equipa estava em estágio para o último jogo, na sequência de uma vitória do Benfica sobre o Boavista que nos deu o título, mas não foi exactamente a mesma coisa.)

    Nessa noite de 2000 o futuro parecia-nos risonho. Era como se um reino de infinitas possibilidades se tivesse aberto para nós. Tal vir-se-ia a revelar ilusório, tendo o Sporting entrado logo em convulsão directiva a que se seguiram algumas opções discutíveis no mercado (o não acionamento da cláusula de opção de De Franceschi por 300.000 contos para ir buscar Alan Mahon, primeiro, e depois Tello, no Natal, por 1.5 milhões de contos).

    Mas, como diz e muito bem, somos do Sporting. E nunca perdemos totalmente a esperança. Diria que a resiliência é a nossa maior qualidade, o maior elo identificador entre todos. O que deveríamos era aproveitar o que nos une e, sem esquecer o passado e as ilações que dele se podem extrair, avançar em cima disso para que a nossa força seja maior. Só que para isso precisamos de quem saiba compreender os Sportinguistas e os ponha a eles e ao clube acima do instinto de preservação pessoal.

    Um abraço e continue a estimular os leões aí de casa. SL
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Caro Pedro,Talvez por mero acaso estou-me a lembra...

    • Pedro Azevedo

      Fantasma na ópera e eSCALAr para a Europa. Faz sen...

    • Pedro Azevedo

      Entretanto, o Famalicão deu-nos uma mãozinha…

    • João Gil

      O Sporting não vai chegar tarde à Europa. O Benfic...

    • JG

      Caro Pedro sem dúvida esses troféus são importante...