Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

20
Nov19

Magic one?


Pedro Azevedo

José Mourinho foi apresentado no Tottenham Hotspur, clube londrino vulgarmente conhecido como os "Spurs". Antes de mais, o despedimento de Mauricio Pochettino é uma daquelas coisas incompreensíveis das quais o futebol é fértil. O argentino chegou a Londres em 2014 proveniente dos sulistas do Southampton e teve um impacto imediato. Nos 5 anos anteriores à sua chegada os Spurs tinham obtido dois quartos lugares com Harry Redknapp aos comandos, dois quintos lugares (André Villas-Boas e Redknapp) e um sexto (época dividida entre Villas-Boas e Tim Sherwood) na Premier League, com Pochettino a pior classificação aconteceu no primeiro ano (5º lugar em 2014/15). Seguiram-se dois terceiros lugares (15/16 e 17/18) e um segundo lugar (16/17), este último só superado pela gesta gloriosa de Cliff Jones, Danny Blanchflower, Dave MacKay ou Bobby Smith (treinador Bill Nicholson) em 1960/61, época que marca a última vitória dos Spurs no campeonato inglês. Na temporada passada terminaram apenas em 4º lugar na Premier League, mas conseguiram o feito histórico de atingir a final da Champions. Este ano as coisas não começaram bem e o Tottenham encontra-se actualmente no 14º posto. Ainda assim a apenas 3 pontos do 5º colocado, o surpreendente Sheffield United, facto que não serviu de atenuante para o presidente Daniel Levy accionar a chamada "chicotada psicológica".

 

Este arrazoado que aqui deixei no 1º parágrafo em nada põe em causa a capacidade de José Mourinho, destina-se apenas a mostrar o quão ingrato o futebol pode ser para os seus profissionais. Não há por isso créditos, o futebol é essencialmente o momento e só isso explica que tenha acontecido a Pochettino exactamente aquilo que há 1 ano atrás sucedeu com Mourinho, treinador que havia conquistado previamente um segundo lugar na Premiership, uma Liga Europa, uma Taça da Liga e uma Supertaça aos comandos do Manchester United. 

 

Mou, o único treinador que simultaneamente bisou em conquistas de Champions e Liga Europa, tem pela frente um tipo de desafio que só viveu em Portugal: pela primeira vez desde que emigrou como treinador principal entra num clube com a época a decorrer, algo que só tinha vivido quando trocou o lugar de adjunto de Van Gaal no Barcelona pelo de treinador do Benfica ou, mais tarde, quando acabou a época no Porto proveniente da União de Leiria. Habituado a ter um impacto imediato nas equipas que dirige - Benfica, União de Leiria, Porto, Chelsea (por duas vezes), Inter, Real Madrid e Manchester United - o seu sucesso esta época encontra-se limitado no que diz respeito às aspirações de conquista da Premier League. A 20 pontos do líder Liverpool, 12 do Chelsea e do surpreendente (de novo!) Leicester e 11 do Manchester City, até a qualificação para a Champions parece neste momento muito remota por muito que outros dois habituais concorrentes (Arsenal e Manchester United) também estejam a ter inícios de campeonato desapontantes. Eliminado da Taça da Liga inglesa, resta-lhe tentar ganhar a Taça de Inglaterra (ainda não iniciou a participação) e dar asas ao sonho de vencer de novo a Champions, facto que seria único na história dos Spurs e marcaria claramente pela positiva esta sua primeira temporada no clube dos judeus londrinos.

 

Mais do que nunca, Mourinho vai precisar de fazer jus ao seu epíteto de "Special One" e dar uso à sua varinha outrora considerada mágica. Só espero é que esse passe de magia não obedeça à contratação do nosso único "Special One", o Bruno Fernandes. É que se a operação vier a decorrer em Janeiro, época de saldos e de refugo, não vejo como com o dinheiro proveniente da sua hipotética venda possamos minimamente no imediato colmatar a sua ausência e começar a esboçar com passos seguros o plantel para 2020/21, época - é bom não esquecer - onde o terceiro lugar final garantirá um lugar nas pré-eliminatórias (play-off?) da Champions (assim Portugal termine este ano à frente da Rússia no ranking da UEFA). 

mourinhotottenhamDR1.jpg

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Metralha

    O Sporting não irá acabar, simplesmente irá demora...

  • Metralha

    Caro Pedro,Obviamente que a " comunicação" está be...

  • JG

    Se esperarmos que o bom senso tome conta de Varand...

  • Pedro Azevedo

    Muito obrigado, Luís. Recuperei o texto porque a m...

  • Pedro Azevedo

    É o que parece, sim. Dois extremos que se degladia...