Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

04
Mai20

Mais competitividade, maior sustentabilidade


Pedro Azevedo

O jornal Record dá hoje à estampa uma entrevista ao presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr Fernando Gomes, onde este aponta a venda dos direitos televisivos para outros países como uma futura solução para os problemas financeiros dos clubes portugueses. 

 

Já aqui tinha defendido esse cenário, pelo que em tese nada tenho a opôr às palavras certamente bem intencionadas do presidente da FPF. O problema é que uma reacção por parte do mercado implica uma acção por parte das autoridades que supervisionam o futebol português, e sem uma profunda revolução dos quadros competitivos nacionais tudo não passará de um "wishful thinking". 

 

Gaba-se o Dr Fernando Gomes do sexto lugar que Portugal actualmente ocupa no ranking das competições europeias da UEFA. A verdade é que esse ranking não reflecte a realidade da classe média do futebol português, é tão somente produto de uma macrocefalia do nosso futebol onde as assimetrias entre grandes e pequenos são enormes e a classe média tem sido progressivamente esvaziada, salvando-se Braga, Guimarães e Rio Ave a um nível competitivo razoável. Da mesma forma, aliás, que o título de campeão europeu conquistado por Portugal a nível de selecções ainda menos reflecte as condições existentes no país, dado que, exceptuando um núcleo duro de jogadores que à época actuavam pelo Sporting, a maioria dos seleccionados beneficiou da competitividade dos campeonatos onde actuavam no estrangeiro.  

 

A nossa Primeira Liga tem um défice de competitividade gritante e a falta de intensidade do jogo tem-se vindo a reflectir naquilo que têm sido as últimas participações europeias dos nossos clubes mais representativos. Há dados objectivos que o confirmam: já aqui abordei a questão do tempo útil de jogo, aspecto onde segundo um estudo do Observatório do Futebol, alargado a 37 ligas europeias, a Primeira Liga ocupa o último lugar com 50,9% (60,2% da Premier League, 58,5% da Bundesliga, 55,8% da La Liga). 

 

Por conseguinte, se queremos ter um futebol mais competitivo temos de diminuir as equipas da Primeira Liga e proceder a uma distribuição de receitas mais equitativa entre os seus participantes (DireitosTV e Fundo de Competitividade). Recentemente trouxe aqui algumas ideias que poderiam servir o propósito de melhoria do produto a fim de que este fosse mais vendável nacional e internacionalmente. Creio que a reformulação dos quadros competitivos é fundamental a esse objectivo e deveria ser iniciada de imediato para que daqui a 3-5 anos os nossos campeonatos pudessem reflectir essa visão. Na minha opinião, Portugal deveria ter 3 campeonatos profissionais - Primeira Liga, Segunda Liga e Terceira Liga - , cada um com 12 equipas e jogado em forma de "poule" a duas voltas, com "play-off" (6 primeiros da primeira fase) e "play-out" (6 últimos da primeira fase) também a duas voltas (os pontos acumulam). Desceria o último de cada campeonato e subiria o primeiro da 2ª e 3ª Liga, disputando-se uma liguilha entre o penúltimo de um campeonato e o 2º classificado do campeonato imediatamente inferior. As transmissões televisivas destes 3 campeonatos seriam asseguradas por venda em bloco (centralizada). Por motivos financeiros, a 4ª divisão (semi-profissional) seria disputada por zonas geográficas (4), agrupando-se os clubes em regiões próximas a fim de se evitarem grandes custos de deslocação. Cada zona conteria 14 equipas. Os vencedores de cada zona enfrentar-se-iam numa "poule" final disputada a 2 voltas, o que lhes proporcionaria, no total, exactamente o mesmo número de jogos (32) dos clubes das divisões superiores.

 

A Taça da Liga seria disputada pelas equipas das 3 divisões profissionais (universo de 36). Todas as equipas da Primeira e Segunda Liga (24) estariam automaticamente apurada para os dezasseis-avos-de-final desta competição, assim como os 4 primeiros da Terceira Liga, perfazendo um total de 28 equipas. As restantes 8 disputariam uma pré-eliminatória, apurando-se assim mais 4 equipas para a fase seguinte. Dos dezasseis-avos-de-final até aos quartos-de-final os jogos que o sorteio indicasse seriam sempre disputados em casa do clube pior classificado. A Final Four seria disputada em campo neutro, nos moldes actuais. 

 

Enfim, para que um objectivo não se revele uma quimera é necessário dar passos concretos para que ele se torne possível. É por isso tempo de falar menos e pensar e implementar mais. E também de se fazerem algumas cedências, porque o que à primeira vista possa parecer um passo atrás rapidamente será percepcionado como dois passos à frente. 

P.S. Outro pressuposto fundamental para a imposição de um produto no mercado é a sua credibilidade. E isso só se obtém com transparência de processos e regulamentos claros e inequívocos que protejam a integridade da competição.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 05.05.2020

    Eu creio que o Sporting tem de ser competente em várias frentes, desde a política desportiva, a sua intervenção para a melhoria do futebol português (alguém conhece uma ideia que seja desta nossa Direcção?), a sustentabilidade financeira, a Cultura (identidade, alma) Sporting, até aos princípios que devem orientar o governo da SAD. Assistimos nas últimas décadas ao domínio alternado de Porto e Benfica, dentro e fora das quatro linhas. Se queremos ter sucesso temos de olhar para dentro (estou de acordo) e não desperdiçarmos as oportunidades que as conjunturas nos dão de afirmarmos as nossas causas (sem nunca entrarmos por caminhos que nada têm a ver com os nossos princípios). A verdade é que nem uma coisa nem outra têm sucedido, este Sporting tem um registo minimalista que não se coaduna com a grandeza histórica do clube, não arregimenta, não tem rasgo nem apela à inovação, e em termos de política desportiva é um desastre. Curiosamente, tem a melhor imprensa de sempre. Não que isso ajude muito, como o comprova o actual quarto lugar no campeonato e prematura eliminação de todas as competições aos pés de ‘colossos’ como o Alverca, o Basaksehir, ou mesmo o Braga. Para além dos 5-0 infringidos pelo Benfica na Supertaça. Tudo isto complementado com um défice de exploração antes de venda de jogadores superior a 70 milhões de euros anuais, o que é absolutamente alarmante à luz de uma avaliação (Transfermarket) do plantel em 98M€ (Benfica 269M€, Porto 217M€). Mas para os encantadores de serpentes está bem assim. Para quem queira ser fiel ao lema do nosso José Alvalade é que não está nada bem, há que ter brio e ser merecedor do facho que os nossos antepassados nos entregaram.

    Obrigado pelas suas gentis palavras para com o blogue, caro Bruno Fernandes.

    Saudações Leoninas
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Miguel

      Assino por baixo.Cabeça fria, empenho, confiança.O...

    • Vero Leão

      Caro Pedro, o mais importante neste momento é ter ...

    • Anónimo

      Bom dia a todos.Sempre disse que a compra do Pauli...

    • Costela Sportinguista

      Na mouche meu bom amigo Pedro!Calma e Serenidade: ...

    • Anónimo

      Olá Pedro, apenas um lembrete off the record: Visi...