Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

24
Mai19

O (J)amor acontece!


Pedro Azevedo

Num futebol português em que quase tudo é, pardon my french (ou melhor, my italian, com a devida vénia a Ettore Scola), feio, porco e mau, a festa do Jamor é a nossa reconciliação com o que o desporto-rei tem de belo, nobre e bom. 

 

Embora últimamente tenha deixado de ser um momento de reunião das famílias à volta de um campo de futebol (como um jogo da selecção o é), fruto de umas regras de distribuição de bilhetes que fomentam exclusivamente a fidelidade ao clube expressa através da compra de uma gamebox, a final da Taça de Portugal é uma celebração epicurista da vida e da amizade.

 

Pelas matas adjacentes ao Estádio Nacional inúmeros pontos de convívio são antecipadamente estabelecidos, por vezes com dias de antecedência, porque na Taça o pré-jogo é tão ou mais importante do que o próprio jogo. Como tal, não poderiam faltar o leitão, as febras ou as gambas. Tudo regado com umas tantas minis, que ajudam a vencer a canícula habitual nesta altura da época e convidam à manutenção da boa disposição. 

 

Infelizmente, a festa da Taça marca o encerramento da época, pelo que todo o espírito positivo à sua volta se perde ao longo do defeso. Quando a pré-época se inicia, logo regressa a sua antítese: o ódio, a intolerância, o facciosismo exacerbado, a perfídia, o desejo de ganhar a todo o custo. Se o futebol é o circo romano dos nossos dias, todas as frustrações são descarregadas em cima do jogo. Acresce que, numa sociedade onde há tantos perdedores e excluídos, a vontade de estar associado a um projecto vencedor sobrepõe-se à racionalidade do ser, o que vai alimentando o "status-quo" vigente. 

 

É por tudo isto acima descrito que eu gosto muito da final da Taça. Que tal como a pescada, antes de o ser (apito inicial do árbitro) já o era. 

 

Um dia bem passado para todos!

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.