Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

24
Ago19

O que (não) resolve Dost


Pedro Azevedo

No deve e haver da tesouraria da SAD do Sporting, se é verdade que a venda de Bas Dost permitirá poupar o seu salário, a compra de Vietto (e de outros 4 jogadores nesta janela de transferências) terá carregado ainda mais o cash-flow operacional negativo (antes de vendas de jogadores). Acresce que em termos de Resultados da Sociedade, uns magros 6 milhões de euros - apenas mais 3 milhões do que os pouco ou nada utilizados Iuri e Domingos Duarte - não resolverão praticamente nada, obrigando a mais vendas, e de valor significativo, antes do final da época. Com um défice estrutural que deverá andar perto dos 60 milhões de euros, as vendas registadas até agora tê-lo-âo, quanto muito, baixado para cerca de €45 milhões. Acresce que as compras no Mercado de Verão pesarão em sentido contrário, na proporção da amortização anual dos contratos dos jogadores, subtraindo entre 4 a 5 milhões aos Resultados. O problema é que não estamos a conseguir colocar a maioria dos excedentários do plantel que pesam mais na conta de exploração (largando os que ganham pouco e que, ficando connosco, podiam contribuír para a nossa sustentabilidade), o que não permite "aliviar" os custos com pessoal. Teria sido prudente começar por aí, não indo ao mercado comprar ainda mais jogadores. Ao não fazê-lo, a SAD entrou num jogo de póquer. Ciente disso, o mercado decidiu especular com a SAD, baixando todas as propostas de aquisição por jogadores nossos (vidé exemplo Bruno Fernandes). E irá continuar a fazê-lo, independentemente da valia desses elementos. Agora, só temos duas hipóteses: ou a SAD decide manter os nossos melhores jogadores e enfrenta sócios e accionistas com um R&C referente a Junho de 2020 mostrando um Resultado profundamente negativo (e, entretanto, mais inadiáveis antecipações de proveitos NOS) enquanto procura resolver o défice estrutural colocando muitos excedentários e não privilegiando mais Diabys em detrimento de Matheus e companhia, ou vende ao desbarato, da forma desordenada que eu há muito venho perorando que poderia acontecer (e o caso Bas Dost evidencia-o), os seus melhores jogadores. O problema é que, continuando a vender qualidade esta época, pouco ou nada de substantivo sobrará para vender nas épocas seguintes, tornando-se assim impossível cobrir o "gap" nos Resultados futuros. A não ser, claro, que as 11 contratações desde Janeiro provem a sua utilidade, algo que para além de Matheus Nunes (não é aposta na equipa principal) e de Idrissa Doumbia não me parece assim tão evidente. Portanto, quando se falou aqui em aposta na Formação é porque não existe outro modelo possível. Com ele, teria sido possível baixar a massa salarial para níveis que nos tirassem do sufoco ou garrote financeiro, garantindo-se assim outra liberdade negocial. Mas ainda há quem pense que estas ideias são lesa-Sporting, porque se está implicitamente a criticar quem foi eleito (não perco tempo nem crio desumanidade a atacar pessoas, que aliás separo do essencial que é a sua gestão, mas preocupa-me, isso sim, o Sporting). Como se não vivessemos numa democracia, como se milhares de CEOs no mundo inteiro não fossem permanentemente escrutinados por opinadores e accionistas, como se não houvesse canais televisivos económicos (CNBC e Bloomberg) que transmitem, 24 sobre 24 horas, informação sobre empresas cotadas e outras prontas a entrar em Bolsa, como se o desejo de um sócio não deva ser que o clube sobreviva a si mesmo (sócio) e seja perene. 

 

P.S. Um jogador de futebol tem associado a si um direito económico (para além de um desportivo, também). Como tal, é um activo. Como qualquer outro activo, tem um rendimento. Se uma acção tem um dividendo e uma obrigação tem um cupão, o rendimento de um jogador de futebol é o seu desempenho desportivo. O desempenho desportivo de Dost foi de 93 golos em 3 temporadas. E marcou em cada uma das finais de taça ganhas na época transacta. É bom não esquecer isto quando se fala em "alívio" da massa salarial. 

15 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.