Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

25
Fev20

O Xico


Pedro Azevedo

"Ó Xico, Ó Xico
Onde te foste meter?
Ó Xico, Ó Xico
Não me faças mais sofrer" - "Xico", Luísa Sobral

 

Tenho uma ténue recordação do dia em que nasceu. Vários de nós foram papás nessa época e o Sérgio, na época um jovem (como eu) sempre transbordando de alegria e sentido de humor, trabalhava a poucos metros de mim, na mesma empresa. Seguimos caminhos diferentes e só uns bons anos mais tarde me apercebi de que o Francisco que jogava nas camadas jovens do meu Sporting era filho do outrora meu colega. Obviamente, tal fez-me seguir com redobrado interesse o seu desenvolvimento enquanto futebolista. 

 

O Xico nasceu para o futebol numa época em que os "trequartisti", maestros de condução de todo o jogo, começavam a ser substituídos por instrumentistas versáteis quando não por tocadores de bombo. Olhando por esse prisma, dir-se-ia que falhou o encontro com a história, ao contrário, por exemplo, de Rui Costa, o último "10" puro do futebol português. O Príncipe de Florença ainda viveu um tempo de romantismo no futebol onde aos futebolistas da sua posição era essencialmente pedido que pensassem e construíssem as jogadas atacantes. Também que soubessem marcar o "tempo", acelerando ou abrandando a batuta consoante o que o jogo pedia. Deco já foi um jogador híbrido, de um tempo moderno, tão capaz de destruir como de construir, um dois em um, "8" e "10" ao mesmo tempo. Olhando para Bruno Fernandes já se nota uma diferença significativa. Menos cerebral (embora igualmente inteligente) do que os maestros de outro tempo e por isso não tão dado a temporizações, mas com uma qualidade de remate invulgar que alia a uma óptima técnica individual, adequado timing de passe e uma resistência incomum que lhe permite fazer várias "piscinas" durante um jogo, Bruno é essencialmente um agitador, dinamitador até, um excelente guerrilheiro, sempre pronto a agredir a trincheira onde se refugia o adversário e a defender a sua doe o que doer.

 

Ora, o Geraldes nunca será um Bruno, ele tem muito mais semelhanças com o tipo de jogador que foi Rui Costa. O Xico é um cerebral, que lê e pensa o jogo e ama o passe, especialmente o último, de ruptura. Vê-lo em campo evoca reminiscências de um tempo que já não volta do primado do cérebro sobre o músculo. Um tempo em que havia tempo para criar, onde os campos ainda não estavam cheios de minas, armadilhas e sapadores militarizados e não havia 5 jogadores dispostos a destruir por cada criativo que ia a jogo. Por isso, o sentimento que mais expressa a sensação que tenho quando vejo o Xico é o de nostalgia. Eu sei que esse tempo de outrora não volta para trás, mas com ele no relvado estabelece-se um "faz de conta" em que por momentos eu sonho que tal será possível. Afinal, não é o futebol uma forma de escape à realidade? 

geraldes1.jpg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 25.02.2020

    Talvez, Zezinho. Mas para isso precisaria de apanhar um treinador que não fosse deste tempo, alguém que, onde todos os outros veem problemas, visse uma solução . Eu gostaria muito.,O futebol do Geraldes faz-me sonhar..

    PS: ia dizer que a ideia de futebol posicional holandês o poderia favorecer, mas a experiência que teve com Marcel Keizer indica o contrário. Bom, o Keizer talvez tenha sido o menos adepto da filosofia do Ajax de todos os treinadores do Ajax, pelo que...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Caro Pedro,Talvez por mero acaso estou-me a lembra...

    • Pedro Azevedo

      Fantasma na ópera e eSCALAr para a Europa. Faz sen...

    • Pedro Azevedo

      Entretanto, o Famalicão deu-nos uma mãozinha…

    • João Gil

      O Sporting não vai chegar tarde à Europa. O Benfic...

    • JG

      Caro Pedro sem dúvida esses troféus são importante...