Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

25
Fev20

O Xico


Pedro Azevedo

"Ó Xico, Ó Xico
Onde te foste meter?
Ó Xico, Ó Xico
Não me faças mais sofrer" - "Xico", Luísa Sobral

 

Tenho uma ténue recordação do dia em que nasceu. Vários de nós foram papás nessa época e o Sérgio, na época um jovem (como eu) sempre transbordando de alegria e sentido de humor, trabalhava a poucos metros de mim, na mesma empresa. Seguimos caminhos diferentes e só uns bons anos mais tarde me apercebi de que o Francisco que jogava nas camadas jovens do meu Sporting era filho do outrora meu colega. Obviamente, tal fez-me seguir com redobrado interesse o seu desenvolvimento enquanto futebolista. 

 

O Xico nasceu para o futebol numa época em que os "trequartisti", maestros de condução de todo o jogo, começavam a ser substituídos por instrumentistas versáteis quando não por tocadores de bombo. Olhando por esse prisma, dir-se-ia que falhou o encontro com a história, ao contrário, por exemplo, de Rui Costa, o último "10" puro do futebol português. O Príncipe de Florença ainda viveu um tempo de romantismo no futebol onde aos futebolistas da sua posição era essencialmente pedido que pensassem e construíssem as jogadas atacantes. Também que soubessem marcar o "tempo", acelerando ou abrandando a batuta consoante o que o jogo pedia. Deco já foi um jogador híbrido, de um tempo moderno, tão capaz de destruir como de construir, um dois em um, "8" e "10" ao mesmo tempo. Olhando para Bruno Fernandes já se nota uma diferença significativa. Menos cerebral (embora igualmente inteligente) do que os maestros de outro tempo e por isso não tão dado a temporizações, mas com uma qualidade de remate invulgar que alia a uma óptima técnica individual, adequado timing de passe e uma resistência incomum que lhe permite fazer várias "piscinas" durante um jogo, Bruno é essencialmente um agitador, dinamitador até, um excelente guerrilheiro, sempre pronto a agredir a trincheira onde se refugia o adversário e a defender a sua doe o que doer.

 

Ora, o Geraldes nunca será um Bruno, ele tem muito mais semelhanças com o tipo de jogador que foi Rui Costa. O Xico é um cerebral, que lê e pensa o jogo e ama o passe, especialmente o último, de ruptura. Vê-lo em campo evoca reminiscências de um tempo que já não volta do primado do cérebro sobre o músculo. Um tempo em que havia tempo para criar, onde os campos ainda não estavam cheios de minas, armadilhas e sapadores militarizados e não havia 5 jogadores dispostos a destruir por cada criativo que ia a jogo. Por isso, o sentimento que mais expressa a sensação que tenho quando vejo o Xico é o de nostalgia. Eu sei que esse tempo de outrora não volta para trás, mas com ele no relvado estabelece-se um "faz de conta" em que por momentos eu sonho que tal será possível. Afinal, não é o futebol uma forma de escape à realidade? 

geraldes1.jpg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 25.02.2020

    *vê antes coisas, ou melhor, antecipa cenários que outros nem suspeitam
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Caro Pedro,Talvez por mero acaso estou-me a lembra...

    • Pedro Azevedo

      Fantasma na ópera e eSCALAr para a Europa. Faz sen...

    • Pedro Azevedo

      Entretanto, o Famalicão deu-nos uma mãozinha…

    • João Gil

      O Sporting não vai chegar tarde à Europa. O Benfic...

    • JG

      Caro Pedro sem dúvida esses troféus são importante...