Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

14
Mar19

O meu "onze" para amanhã


Pedro Azevedo

Contra a pobreza franciscana da nossa saída de bola, Doumbia deve alinhar com Santa Clara. Adicionalmente, lançaria Xico Geraldes no meio campo, gerindo o desgaste de Wendel, colocando Acuña como ala (e não como lateral) para equilibrar mais a equipa defensivamente. Este seria o meu "onze": Renan; Ristovski, Coates, Mathieu e Borja; Doumbia, Bruno Fernandes e Geraldes; Raphinha, Dost e Acuña. 

doumbia.jpg

25
Fev19

Qual seria a sua equipa?


Pedro Azevedo

Se fosse o treinador do Sporting, com que "onze" jogaria esta noite na Madeira? Procurando novas soluções e a utilização de jogadores mais frescos, eu faria alinhar: Renan; Ilori, Coates e Borja; Ristovski, Doumbia, Bruno Fernandes, Xico Geraldes e Acuña; Raphinha e Dost.

convocadosmaritimo.jpg

05
Fev19

Chaves do Areeiro


Pedro Azevedo

Saiu hoje a convocatória para o jogo de Quarta-Feira com o Benfica, a contar para a 1ªmão da meia-final da Taça de Portugal. Surpreendente é a chamada de três trincos - Oh não, outra vez! - , sobrando apenas lugares no meio-campo para Wendel e Bruno Fernandes (a possibilidade de Petrovic poder ser opção como central está posta de lado, visto que Coates, André Pinto e Tiago Ilori foram convocados). Parece-me perigoso, pois em caso de lesão dos médios mais ofensivos nem sequer temos a possibilidade de colocar Nani no miolo. Outra novidade é o facto de terem sido incluidos três laterais esquerdos (Acuña, Borja e Jefferson), a não ser que Keizer esteja a contar com o argentino como ala. Enfim, pode ter a ver com pequenos toques sentidos por jogadores no rescaldo do jogo de Domingo. (Não encontro outra explicação.) Perante isto, acredito que faremos um jogo de contenção, de forma a tentarmos evitar nova debacle como a de Alvalade.

 

De registar ainda, e mais uma vez, as ausências de Miguel Luís, Francisco Geraldes e Montero por opção. Lesionados, e também fora da convocatória, estão Nani e Mathieu. Ristovski está castigado. Enfim, oxalá corra bem!

convocados.png

03
Fev19

Dia de Clássico


Pedro Azevedo

Hoje é dia de Clássico. Não de um clássico qualquer, mas sim d`O Clássico, o derby que transformou o profano jogo no objecto de uma adoração sagrada. Neste dia, Alvalade é um templo, um local divino de comunhão de uma religião sem ateístas, onde os deuses estão ali, de carne e osso, à nossa frente e para gáudio dos nossos sentidos. 

 

Para um adepto, o amanhecer do Clássico é diferente do de um outro dia qualquer. A garganta resseca, o coração lateja, a mão treme, enquanto o corpo se vai libertando progressivamente do entorpecimento matinal. Tudo num compasso mais acelerado do que o normal. A adrenalina vai crescendo à medida dos cenários que se vão construindo na mente e, até à hora do jogo, o adepto estará acometido de um transe que o transportará para múltiplas realidades virtuais. Nesse sentido, a contagem decrescente para o início da partida é, também ela, um jogo dentro do próprio jogo: mais comprido, sublime, genial, este jogo alternativo é todo ele feito de ilusões, quimeras ou fantasias que o jogo real, a maioria das vezes, se encarregará de desmentir.

 

Quando o Sporting e o Benfica se enfrentam há muito mais do que um jogo em disputa. Há uma rivalidade ancestral que faz desse confronto um campeonato à parte dentro do próprio campeonato. Muito mais do que os pontos em disputa, joga-se pelo orgulho e para alimentar a fé. Assim, cada golo, cada triunfo dos nossos, é celebrado como um ritual de sagrada comunhão em que os adeptos se cumprimentam e abraçam em perfeita sintonia, numa catarse que transforma o solitário "eu" num colectivo "nós". 

 

É esse desejo de ser parte de algo grandioso, maior do que nós, que inconscientemente faz o fervor de um adepto. Hoje, quando o jogo acabar, depois de luzes, cheiros, tactos, paladares e ruídos se desvanescerem, o adepto voltará à sua solidão e o Domingo readquirirá a sua típica melancolia. Ou, como diria Galeano, "será como Quarta-Feira de cinzas depois do fim do Carnaval"...

 

P.S. É importante, diria decisivo, criar condições para que um adepto nunca perca a fé, pois desmorecimento e apatia são inimigos da perenidade do clube tal como o conhecemos. Sporting sempre! Vamos!

sporting sempre.jpg

26
Jan19

One too many


Pedro Azevedo

"Dá-me um irreal, um imaginário...dá-me um irreal

 Dá-me um irreal, um imaginário...dá-me um irreal

 Dá-me um ideal, um ar ilusório...dá-me um ideal

 Dá-me um ideal, um ar ilusório...dá-me um ideal

 Popular, surrealizar por aí

 Popular, surrealizar por aí

 Popular

 Não me dês moral...dá-me irreal ideal social popular avançado" - Ban

 

Michel Platini, numa derradeira tentativa de estancar o progresso tecnológico, criou aquela aberrante criatura posicionada atrás de uma baliza, um tipo de placebo que ninguém conseguiu descortinar exactamente para o que servia. Quer dizer, para além de conseguir "pintar" coisas tão surreais como uma mão em forma de rosto numa noite em Gelsenkirchen, ninguém percebeu a sua utilidade. Depois, com o inexorável progresso, chegou o VAR. Uma boa ideia, mas ainda a deixar margem para a natureza humana decidir, ou não decidir, ou indecisamente alegar uma neutralidade helvética. Agora, querem introduzir dois VARs (o BiVAR, de étimo lendário e nobre, a fazer lembrar El Cid, o Campeador). Dá um bom nome, mas faz lembrar aquele trocadilho do "1 ovários" (um ou VARios). Se a coisa der semente, cheira-me que o parto vai ser demorado e que a hora não vai ser pequenina. Árbitro, VAR1, VAR2: um é pouco, dois é bom, três é capaz de ser um bocadinho demais. É que isto pode vir a tornar-se numa conferência de advogados: em cada dois que se juntam, há pelos menos três opiniões. E tudo poderá acabar como na anedota do fanhoso e do coxo (ou na do corcunda). Por isso, ilustres senhores do Conselho de Arbitragem, se pensam que o problema do défice de qualidade pode ser resolvido pela quantidade, vão acabar por enfrentar perdas de produtividade. "Do you wanna bet?"

VAR.jpg

26
Jan19

Aí leões!!!


Pedro Azevedo

O jogo não será no (Estádio do) Lima, mas sim na Pedreira. (Pedra lascada, portanto.) Infelizmente, não estará lá presente, pelo menos fisicamente, aquele que considero o melhor actor português de sempre, o sportinguista António Silva, a quem aqui singelamente homenageio. De um leão da Estrela para O Leão da Estrela, com o desejo ardente de que saiamos vitoriosos. Aí leões!!!

 

P.S. Ó Barata (Erico Braga), desculpa lá qualquer coisinha, mas vai ter de ser...

leão da estrela.jpg

23
Jan19

Oportunidade aos mais jovens


Pedro Azevedo

Hoje, na Pedreira, gostaria que se testassem outras soluções. Por isso, recomendaria que jogassem de início os jovens Francisco Geraldes (ou Miguel Luís), Jovane Cabral e Raphinha (para além de Phellype e de Salin, este último face à rotatividade nas taças). A minha equipa seria: Salin; Ristovski, Coates, Mathieu e Acuña; Gudelj (Idrissa Doumbia, Petrovic), Bruno Fernandes e Xico Geraldes (Miguel Luís); Raphinha, Luíz Phellype e Jovane Cabral. Descansariam, tendo em conta futuras batalhas: Renan, Wendel (um jovem desgastado pelo excesso de jogos), Nani, Diaby e Bas Dost.

geraldes1.jpg

22
Jan19

Abel adormecido (e a laranja mecânica)


Pedro Azevedo

E se, amanhã, Abel encontrar uma laranja no seu caminho, não resistir a tentar descascá-la e acabar adormecido pelo sumarento fluido venenoso preparado por Keizer? Sim, bem sei, a maçã...Bom, a maçã é uma estória para meninos, e Abel é tudo menos um menino (de coro). Pelo menos sempre que tem o Sporting pela frente, pois quando é o Benfica já não é bem assim, aparentemente, e até sorri e tudo. 

Para ganhar amanhã, o Sporting tem de ser uma laranja mecânica e, de forma a poder extrair todo o sumo possível, saber aproveitar as lições da mecânica de fluidos. A primeira coisa a fazer é jogar em campo pequeno (aproximar as linhas). A Teoria de Bernoulli aplicada a um jogo de futebol. Estreitando o campo, a pressão sobre a equipa do Braga será maior (aumenta o erro). Aplicada uma forte tensão nos bracarenses, a deformação do seu jogo ser-lhe-á proporcional (Teoria dos fluidos Newtonianos). Depois, será necessário aplicar velocidade. Como tal, proponho algumas alterações na equipa que vai a jogo, de forma a melhor acomodar a ideia inicial (ao mesmo tempo que pouparia alguns titulares para outras batalhas). Assim, para além da habitual substituição nas Taças, de Renan por Salin - o melhor jogo de pés do francês aumenta a velocidade de circulação de bola - daria uma oportunidade no sector recuado ao supersónico Lumor (importante para dobrar centrais posicionados perto da linha do meio-campo, deixando assim muito espaço nas costas). No meio campo, manteria Bruno Fernandes e Gudelj (não estando ainda em condições o Doumbia) e lançaria Francisco Geraldes como "10" (com Bruno de perfil por detrás), de forma a podermos ter dois "registas", dois lançadores de passes de ruptura para as alas e frente do ataque. Como "cereja no topo do bolo", revolucionaria a linha dianteira, fazendo entrar os velozes Jovane (esquerda) e Raphinha (direita), bem como o "Felipe das consoantes", o nosso recém-chegado ponta-de-lança Luíz Phellype. O que Vos parece?

abel.jpg

(Fonte Imagem: Rogério Ferreira/KAPTA+)

21
Jan19

Rotatividade


Pedro Azevedo

Marcel Keizer tem vindo a rodar pouco a sua equipa tendo em vista a preparação da fase decisiva da época, optando por usar sempre o mesmo núcleo duro de jogadores. Ora, tendo em conta o actual estado físico da equipa, que tem sido assacado a uma deficiente pré-época, seria prudente que se alargasse o leque de opções disponíveis, nomeadamente começando a dar minutos aos jogadores comprados em Janeiro. 

Atrás é onde temos menos opções: para além de Salin, alternativa credível a Renan, todo o actual quarteto defensivo é indispensável, sob pena de flagrante queda de qualidade. Assim, Bruno Gaspar não cumpriu aquilo que prometia e hoje está uns furos abaixo de Ristovski, inclusivé onde se presumia que pudesse ser mais forte, isto é, no apoio ao ataque. Além disso, o macedónio é muito mais intenso. Jefferson está a anos-luz da capacidade de luta, comprometimento e disponibilidade física de Acuña, e apenas André Pinto se apresenta como hipótese, embora sem a mesma qualidade, caso Coates ou Mathieu cedam.

Onde me parece que Keizer já deveria ter mexido mais é no sector intermédio e no ataque. No miolo, Miguel Luís está fora da equipa há 4 jogos, algo aparentemente incompreensível para o adepto comum dado que até tinha contribuido decisivamente para a vitória no último jogo em que participou. Desde aí, alternou banco com partidas em que ficou fora da convocatória, não voltando a pisar um relvado. Poder-se-à argumentar que a qualidade do plantel aumentou com o Mercado de Inverno e que há mais soluções, mas a verdade é que Francisco Geraldes foi apenas convocado neste último jogo. Inclusivé, Bruno Paz, que tanto havia prometido contra os ucranianos do Vorskla, não voltou a ter uma oportunidade, algo infelizmente comum a toda a equipa de sub23, da qual outra opção possível para a primeira equipa, Daniel Bragança, já saiu para um clube da Segunda Liga (Farense), presumivelmente para substituir o escocês Ryan Gauld (de volta ao país natal) com quem o Sporting tem uma dívida grande por gestão caótica da sua carreira desportiva. A insistência de Keizer em levar laterais para o banco também tem condicionado a rotatividade no miolo. Sabendo-se que André Pinto pode remendar a lateral direita e que Mathieu até já foi lateral esquerdo, talvez bastasse convocar Pinto, o que libertaria 3 médios e 2 avançados para o banco. Assim, Geraldes e Luís poderiam coabitar no banco, juntando-se a Petrovic, sendo o sérvio a opção mais defensiva (onde caberá o recém-contratado Idrissa Doumbia?). Em relação ao ataque, o período de menor fulgor de Dost já deveria ter sido aproveitado para dar mais minutos a Luís Phellype. Este estreou-se contra o Feirense e deu muito boas indicações, inclusivé mostrando-se mais forte que o holandês na acção de remate de fora da área, onde mostrou potência e colocação. Também a insistência em Diaby tem vindo a limitar as hipóteses de Jovane Cabral (e, em certa medida, também de Raphinha). O ala nascido em Cabo Verde, com muito menos minutos de utilização, tem uma influência no ataque muito superior à do maliano, tendo participado em 17 acções decisivas para golo contra apenas 10 do ex-jogador do Club Brugges. É, por isso, incompreensível que vá tão pouco a jogo ultimamente, enquanto Diaby está de pedra e cal, apenas tendo falhado o recente jogo de Santa Maria da Feira, concomitantemente a partida que me pareceu mais conseguida deste Sporting da era Keizer.

Dadas estas condicionantes, chegamos Quarta-feira ao primeiro mata-mata com grau de dificuldade elevado da época com uma equipa pouco rodada em termos de alternativas de posicionamento ofensivo. Geraldes não foi testado, nem no lugar de Bruno Fernandes nem no de Wendel (recuaria Bruno), não se percebendo o que pode sair dali. Também Phellype nunca foi experimentado em parelha com Dost, outra possibilidade não trabalhada. Portanto, caso seja necessária a sua utilização contra o Braga, ou se tratará de mera troca por troca ou então, qualquer coisa de diferente que venha a ser testada será um enorme tiro no escuro. É que de nada serve querermos um plantel com mais soluções (e agora temo-lo) se depois jogarem sempre os mesmos.

19
Jan19

Xeque-mate!


Pedro Azevedo

A base da ideia de jogo de Marcel Keizer é o domínio do centro, um processo também comum ao xadrez. Por isso, logo à tarde, temos de dispôr as nossas peças no tabuleiro (axadrezado) moreirense de forma a que possamos rapidamente obter o xeque-mate. Os pontos fortes da equipa de Moreira de Cónegos residem no seu meio-campo: à experiência de Fábio Pacheco, potência de Loum e destreza de Chiquinho, somam-se a qualidade técnica, habilidade no 1x1, diagonais e facilidade de remate dos alas Heriberto ou Arsénio que se podem tornar letais para os seus adversários. O ponto fraco será a sua defesa, hoje desfalcada simultaneamente de Ivanildo (emprestado pelo Sporting), Abarhoun (vendido ao Rizespor) e João Aurélio. Há, por isso, que exercer pressão logo à saída de bola e ir flanqueando o último reduto adversário à espera de que se abra uma brecha no centro que deixe Jhonatan desguarnecido. À partida será o suficiente, desde que os cónegos não venham a contar com um inesperado apoio dos bispos.  

moreirense3.jpg

18
Jan19

Geraldes contra a cegueira


Pedro Azevedo

Francisco Geraldes IN, Miguel Luis e Jovane Cabral OUT, as novidades da convocatória de Marcel Keizer para o jogo de amanhã - Alvalade, 18h00 - contra o Moreirense. 

franciscogeraldes.jpg

15
Jan19

Não houve São Jorge, valha-nos Santa Maria


Pedro Azevedo

Sábado, em Alvalade, não conseguimos derrotar os Dragões. Amanhã, em Santa Maria da Feira, é para ganhar e seguir até às meias-finais da Taça de Portugal. Ou há dúvidas?

feirense sporting.jpg

11
Jan19

Os cavalos também se abatem


Pedro Azevedo

Antevendo o clássico de amanhã, há que pensar como sobrepor a força das nossas ideias face à ideia de força que emana do pensamento estratégico inerente às tropas lideradas por Sérgio Conceicao. Para isso, a Marcel Keizer (o Kaiser?), mais do que ser visionário pede-se que seja divisionário, sem que com isso perca nada da sua identidade, pelo contrário reforce os pontos-fortes do seu Keizerbol.

A força do Porto reside essencialmente na sua unidade de cavalaria, formada pelos puros-sangue Marega, Soares, Herrera e Danilo e apoiada pelos blindados Maxi e Felipe. Como tal, o Sporting vai ter de lhes opor uma linha separadora de sapadores de infantaria composta por Gudelj (Petrovic) e Wendel, que deverão assegurar a mobilidade do nosso jogo e, simultaneamente, empreender ações de minagem e demolição que visem interromper a ligação entre a frente e a rectaguarda da cavalaria azul-e-branca. Cumprido este plano, estarão criadas as condições para tacticamente se colocarem em campo as nossas ideias, através de movimentos e apoios frontais, conduzidos pelo centro, que criem espaço e tempo para que a bataria de artilharia liderada pelos capitães Nani e Bruno Fernandes possa expelir o seu poder de fogo. Estabelecido o caos no último reduto adversário, será chegada a hora para as ações rápidas (‘blitz’) e cirúrgicas de guerrilha a cargo de Raphinha. Enfraquecido o poder bélico do adversário no solo, o seu desNorte deve ser potenciado pela entrada em cena da força aérea, através de ações de desgaste permanente a cargo de Bas Dost e/ou de raids planeados e organizados em laboratório para os envolvimentos de Coates e de Mathieu. 

No final, se todos cumprirem o plano, a vitória será nossa. É que os cavalos também se abatem. 

 

(Nota: o meu prognóstico para o clássico é uma vitória do Sporting por 3-2. Só para Keizer marcar uma posição...)

KEIZER VS CONCEIÇÃO.jpg

(Fonte imagem: MVP Desportiva)

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.