Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

05
Out19

Ranking GAP (2)


Pedro Azevedo

Nesta temporada de 2019/2020, o Sporting disputou até agora 11 jogos - 7 para o Campeonato Nacional, 1 para a Supertaça, 1 para a Taça da Liga e 2 para a Liga Europa -, obtendo 4 vitórias (36,4%), 2 empates (18,2%) e 5 derrotas (45,4%), com 16 golos marcados (média de 1,45 golos/jogo) e 20 golos sofridos (1,82 golos/jogo).

 

A nível individual, eis os resultados (estatísticas ofensivas):

 

1) Ranking GAP: Bruno Fernandes (7,5,0), Luiz Phellype (3,2,0), Raphinha (2,0,1);

Vencedor - 2018/19: Bruno Fernandes (32,18,17); 

2) MVP: Bruno Fernandes (31 pontos), Luiz Phellype (13), Raphinha (7);

Vencedor - 2018/19: Bruno Fernandes (149); 

3) Influência: Bruno Fernandes (12 contribuições), Luiz Phellype (5), Bolasie e Vietto (4);

Vencedor - 2018/19: Bruno Fernandes (67); 

4) Goleador: Bruno Fernandes (7 golos), Luiz Phellype (3), Raphinha (2);

Vencedor - 2018/19: Bruno Fernandes (32);

5) Assistências: Bruno Fernandes (5), Luiz Phellype (2), Bolasie (1);

Vencedor - 2018/19: Bruno Fernandes (18).

 

Algumas notas complementares:

  • Nesta época, Bruno Fernandes foi até agora influente em 75% dos golos do Sporting;
  • Influência de Bruno Fernandes no total dos golos do Sporting - 2018/19: 59,3%; 2017/18: 49,1%;
  • À semelhança de 2018/19, Bruno Fernandes lidera todos os parâmetros de análise (GAP, MVP, Influência, Goleador, Assistências);
  • Raphinha, que saiu em 2 de Setembro, ainda está no pódio em 3 parâmetros de análise;
  • Atacantes como Jesé, Jovane Cabral, Rafael Camacho, Gonzalo Plata e Fernando (não utilizado) ainda não contribuíram para qualquer golo;
  • Apenas 10 jogadores contribuíram para os 16 golos obtidos esta época, sendo que 2 deles (Thierry e Raphinha) já não fazem parte do actual plantel e 1 apenas pode ser utilizado na Taça de Portugal e Liga Europa até Janeiro.

 

Ranking GAP (Golos, Assistências, Participação decisiva em golo):

 

  G A P Pontos
Bruno Fernandes 7 5 0 31
Luíz Phellype 3 2 0 13
Raphinha 2 0 1 7
Vietto 1 0 3 6
Pedro Mendes 1 0 0 3
Coates 1 0 0 3
Wendel 1 0 0 3
Bolasie 0 1 3 5
Acuña 0 0 2 2
Thierry 0 0 1 1



02
Out19

Atlas e Sísifo


Pedro Azevedo

Na mitologia leonina, coexistem Atlas e Sísifo. O primeiro é um indivíduo de carne e osso, o segundo é uma ideia colectiva, um placebo servido com o intuíto de despertar reacções psicológicas positivas em comuns mortais. Ambos foram condenados por deuses que deviam estar loucos a trabalhos sem sentido. Ao Atlas maiato, os deuses impuseram que carregasse sozinho o céu leonino nos seus ombros, rodeando-o de uma série de almas penadas incapazes de interferir e que aguardam no purgatório pelo resultado da sua resiliência. Ao Sísifo Formação, os deuses encomendaram descobrir e fazer subir montanha acima um conjunto de jovens para que, chegados ao topo, fossem mandados por aí abaixo, não podendo assim substituir as almas penadas na ajuda ao nosso Atlas. É assim, nesse despropósito, que vive o futebol do Sporting.

Atlas 004.png

sisifo.jpg

19
Set19

Tudo ao molho e fé em Deus - O cisne negro


Pedro Azevedo

Há uns tempos atrás, em entrevista à SportingTV, o presidente chamou "cientistas da bola" a um grupo indeterminado de adeptos. Na medida em que um cientista é uma pessoa que sistematicamente procura o conhecimento, enquanto adepto acabei por tomar o "mimo" como um elogio. De seguida, imaginei um empírico. Um empírico só valoriza a experiência e como tal sofre do problema da indução. A indução consiste na generalização sobre as propriedades de uma classe com base em algumas observações. Se, por exemplo, um empírico só viu cisnes brancos na vida, imediatamente conclui que todos os cisnes são brancos. O problema é que existem cisnes negros (citando o Dr Pôncio, também se pode ter dado o caso de o empírico ter olhado para o cisne negro e não o ter visto). Um dos cisnes negros do futebol da Formação chama-se Pedro Mendes, um jogador que vem contrariar a tese (decreto?) de que os jovens da nossa Formação com idades compreendidas (actualmente) entre os 18 e os 24 anos não têm qualidade. Quando Leonel Pontes foi apresentado como treinador principal, o prazo para as inscrições na Liga já estava ultrapassado, o que implica que o jovem não possa jogar no campeonato e Taça da Liga. Enquanto o treinador não tem um prazo e sim uma tarefa, Pedro Mendes tinha um prazo que alguém que tinha a tarefa de o inscrever deixou caducar. Ainda assim, Leonel não permitiu que se esgotasse também o prazo na Liga Europa e sugeriu que fosse inscrito a tempo na competição. Hoje, em Eindhoven, Pontes deu a Pedro Mendes um prazo de 10 minutos e a tarefa de marcar golos. Ao fim de 1 minuto, o jovem já tinha cumprido a tarefa. Fossem todos assim no Sporting... 

 

Na antevisão do jogo tínhamos alertado para as motas do ataque holandês e a necesidade de não deixar espaço livre nas costas da nossa defesa. Conclusão: em duas situações em que o permitimos, durante a primeira parte, o PSV marcou. Mais uma vez Coates ficou mal na fotografia, estando desposicionado no primeiro golo e infeliz no segundo. Ainda assim melhorou face ao jogo com o Rio Ave, de bicicleta e não de triciclo. 

 

O Sporting entrou com um meio campo em losango, forma geométrica essa que já se sabe está fora de moda desde os loucos anos 80 (as camisolas de "Les Diables Rouges"). Doumbia jogava no vértice recuado, Bruno no vértice ofensivo e Wendel e Miguel Luís entre eles. Nada rotinada no sistema e com um novo jogador no miolo, a equipa não revelava eficácia nem ofensiva nem defensivamente, apanhando-se a perder por dois golos de diferença em duas rápidas transições ofensivas holandesas. Do meio campo para a frente as coisas também não estavam melhores, com Vietto como "capacete azul" da ONU, privilegiadamente observando o jogo de perto sem ter de pagar o bilhete. Perante este quadro de miséria, restavam os de sempre: Acuña, Bolasie e Bruno Fernandes (Mathieu, o mais rápido dos nossos defesas, desta vez não foi convocado). Da sua acção, aliás, resultaria o nosso único golo do primeiro tempo: o argentino serviu com precisão o congolês e este ganhou a penalidade que Bruno converteu sem paradinha. 

 

A etapa complementar iniciou-se com um golo sofrido pela formação de infantis do Sporting. Um canto rasteiro, inadmissível a este nível. Sem ponta de lança, com Vietto e Miguel Luís em sub-rendimento, Leonel Pontes pecou por demorar a agir a partir do banco. Assim, a equipa viveu essencialmente dos rasgos de Bruno Fernandes, o qual semeou o pânico no último reduto holandês por três vezes, enviando uma bola ao poste e disparando dois remates dificilmente defendidos por Zoet, estes dois últimos com Jovane já em campo (saiu Vietto). Até que Pedro Mendes entrou e marcou instantaneamente, provando que merecia a oportunidade de ser titular no próximo jogo contra o líder da Primeira Liga. Só que não está inscrito. Bruno está inscrito, mas não irá a jogo depois de ter sido expulso no Bessa, cortesia do critério disciplinar de Jorge Sousa. Até dá vontade de dar um pontapé numa porta, não é? Futebol? Fácil, fácil... 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes. Para além de Bruno, gostei de Acuña, Bolasie, Pedro Mendes (grande golo), Renan e Jovane Cabral. Os outros estiveram em plano negativo. 

 

P.S. Uma palavra de mérito a Leonel Pontes por ter compreendido que não poderia desperdiçar o momento de forma de Pedro Mendes e por ter tido a coragem de o lançar. São estes detalhes que evitam a desmotivação de toda uma geração de jovens, dão sentido ao futebol de Formação do Sporting e encaminham o clube na direcção da sustentabilidade. Ainda assim, gostaria de ter visto a equipa desde o início com um ponta de lança. 

pedromendes.jpg

12
Set19

Ranking GAP (1)


Pedro Azevedo

Nesta temporada de 2019/2020, o Sporting disputou até agora 5 jogos - 4 para o Campeonato Nacional, 1 para a Supertaça -, obtendo 2 vitórias (40%), 1 empate (20%) e 2 derrotas (40%), com 8 golos marcados (média de 1,6 golos/jogo) e 11 golos sofridos (2,2 golos/jogo).

 

A nível individual, eis os resultados (estatísticas ofensivas):

 

1) Ranking GAP: Bruno Fernandes (2,4,0), Raphinha (2,0,1), Luiz Phellype (1,1,0);

Vencedores - 2018/19: Bruno Fernandes (32,18,17); 2017/18:  Bas Dost (34,6,6);

2) MVP: Bruno Fernandes (14 pontos), Raphinha (7), Luiz Phellype (5);

Vencedores - 2018/19: Bruno Fernandes (149); 2017/18: Bas Dost (120);

3) Influência: Bruno Fernandes (6 contribuições), Raphinha e Vietto (3);

Vencedores - 2018/19: Bruno Fernandes (67); 2017/18: Bruno Fernandes (53);

4) Goleador: Bruno Fernandes e Raphinha (2 golos), LP, Coates e Wendel (1);

Vencedores - 2018/19: Bruno Fernandes (32); 2017/18: Bas Dost (34);

5) Assistências: Bruno Fernandes (4), Luiz Phellype (1);

Vencedores - 2018/19: Bruno Fernandes (18); 2017/18: Bruno Fernandes (18).

 

Algumas notas complementares:

  • Nesta época, Bruno Fernandes foi até agora influente em 75% dos golos do Sporting;
  • Influência de Bruno Fernandes no total dos golos do Sporting - 2018/19: 59,3%; 2017/18: 49,1%;
  • À semelhança de 2018/19, Bruno Fernandes lidera todos os parâmetros de análise (GAP, MVP, Influência, Goleador, Assistências);
  • Acuña, 2º melhor assistente em 2018/19 (13) e 3º melhor em 2017/18 (9), ainda não se estreou a assistir esta época;
  • Sabia que Jovane Cabral, que ainda não se estreou oficialmente esta época, na temporada 2018/19 contribuiu para 18 golos em escassos 1193 minutos de utilização, uma média de 1 acção influente para golo a cada 66,3 minutos? A título de exemplo, Bruno Fernandes, o jogador mais influente das duas últimas épocas teve um registo na temporada passada de 1 acção influente para golo a cada 69,97 minutos (67 contribuições em 4688 minutos), ou seja, uma média inferior à de Jovane. Em 2018/19, Diaby e Raphinha contribuíram para 16 golos em 2529 minutos e 15 golos em 2358 minutos de utilização, respectivamente, ou seja, uma influência absoluta menor nos golos do Sporting do que Jovane com sensivelmente o dobro do tempo de utilização do cabo-verdiano. 

 

Ranking GAP (Golos, Assistências, Participação decisiva em golo):

 

 GAPPontos
Bruno Fernandes24014
Raphinha2017
Luíz Phellype1105
Coates1003
Wendel1003
Vietto0033
Acuña0011
Thierry0011

 

Nota: Ranking GAP=medalheiro olímpico; MVP: 3 pontos=golo, 2 pontos=assistência, 1 ponto=participação importante; Influência: golo, assistência ou participação=1 contribuição.

BF8.jpg

08
Set19

Brothers in arms


Pedro Azevedo

Fraguito (68) e Bruno Fernandes (25) são aniversariantes hoje. Separa-os 43 anos, une-os a visão de jogo, a disponibilidade física (até ser impiedosamente marcado por lesões, Fraguito era um médio infatigável), a imensa qualidade técnica e, evidentemente, o Sporting. Muitos Parabéns aos dois!

fraguito.jpg

bruno fernandes.jpg

01
Set19

Tudo ao molho e fé em Deus - A insolucionável quadratura do círculo


Pedro Azevedo

No arranque dos trabalhos, Frederico Varandas disse na SportingTV que a época há muito que estava planeada. Realmente, há desastres que requerem elaborado planeamento: para começar, escolhe-se um treinador da escola do Ajax que faltou às aulas do clube de Amesterdão e é alérgico à Formação. Depois, recruta-se um pomposo "Scouting" e vai-se ao mercado comprar 11 jogadores - muitos para posições redundantes enquanto outras ficam sem rede - dos quais só um (Doumbia) é titular, sem que se perceba nitidamente se o treinador foi tido ou achado no processo. De seguida, o treinador tenta encaixar à força um segundo reforço na equipa, nem que para isso tenha de desencaixar outros três já rotinados a jogar de perfil entre si, criando-se o insolucionável problema da quadratura do círculo central do terreno. Em simultâneo, após trinta e cinco milhões de euros investidos (fora comissões pagas no Mercado de Verão), qual Sotheby`s, a SAD desdobra-se em contactos internacionais para vender os seus melhores jogadores, conseguindo assim de uma só penada desestabilizar um balneário inteiro sob a forma de Planos A, B, C. Desde o Grande Prémio do Mónaco em BF8, até notícias que correm nos jornais sobre as possíveis saídas de Coates e Acuña, passando pelo inenarrável episódio-Bas Dost, ninguém aparentemente está a salvo. Se por um lado há leilões, por outro assistimos a saldos ou liquidações totais. Assim, jogadores da nossa Formação são dados, emprestados com cláusulas de opção de compra generosas para os compradores, ou vendidos por tuta e meia. Adicionalmente, o lote de excedentários é posto a treinar à parte desde o início da época - uma boa forma de desvalorizar activos - até que, dois meses de ordenados pagos depois, um a um vão saindo a preço zero, um tipo de gestão que poderia ser praticado pela minha filha de 7 anos. Bom, pelo menos poupamos nos custos financeiros inerentes à antecipação de proveitos (factoring)...

 

Hoje, na recepção ao Rio Ave, Marcel Keizer insistiu na Táctica do Quadrado, sistema inventado para emparceirar Vietto com Bruno Fernandes. A ideia genéricamente consiste em fazer recuar Wendel para a mesma linha de Doumbia, ao mesmo tempo que Bruno Fernandes avança um pouco para se juntar à linha onde se encontra o falso ala Vietto, criando-se assim um posicionamento em quadrado no meio campo. Simplesmente, existiram dois problemas: primeiro, como haviamos advertido após o jogo em Portimão, este sistema teria de ser testado contra equipas que jogassem com 2 médios defensivos e não apenas 1. Sem necessidade de colocar o seu ala direito a acompanhar o argentino nos movimentos interiores, porque o médio defensivo a mais garantia uma marcação à zona eficiente, Carvalhal pôde aproveitar o espaço que o flanco esquerdo leonino concedeu durante todo o jogo, uma forma permanente de escape quando o Sporting tentava pressionar; em segundo lugar, o desaparecimento das 3 linhas do meio-campo leonino permitiu aos vilacondenses encontrar muito espaço entre-linhas no nosso meio campo, bastas vezes colocando os seus jogadores entre as duplas BF/LV e MW/ID. Dessa forma, o quadrado leonino assemelhou-se durante todo o jogo a um queijo suiço, daqueles cheios de buracos no meio. Emmental, meu caro Keizer!

 

Durante o jogo, o Sporting viveu essencialmente da superior qualidade técnica de alguns dos seus jogadores, Bruno Fernandes à frente de todos. Foi aliás Bruno que imaginou e concluiu portentosamente o lance do primeiro golo leonino e que esteve também perto de marcar o segundo não fora a intervenção milagrosa de Kieszek. É impressionante como o nosso capitão carrega o peso do mundo Sportinguista nos ombros, mas desta vez tal não foi suficiente. Sagaz, Carvalhal soube explorar a técnica e velocidade do iraniano Taremi, posicionando-o em cima do mais lento Coates. Dando espaço aos médios rioavistas para pensar e colocar a bola, o Sporting estendeu a passadeira, perdão, o tapete persa na sua linha defensiva por onde Taremi provocou grandes estragos. Um truque repetido uma e outra e ainda outra vez, num hat-trick de penáltis ganhos por Taremi e concedidos por Coates, facto inédito no futebol português. De nada valeriam as duas ofertas vilacondenses sob a forma de ressaltos na área prontamente aproveitados por Bruno e Phellype, pois a superioridade da qualidade de jogo do Rio Ave ainda assim conseguiu ditar leis.

 

Acresce que os nossos alas continuam sistemáticamente a definir mal, o que me faz pensar nas palavras de Slaven Bilic, treinador do West Bromwich, esta tarde após a vitória da equipa de Birmingham sobre o Blackburn Rovers (3-2): "Matheus Pereira é um jogador muito bom, faz a diferença no último terço. É bom com a bola, tem boa visão de jogo." - Matheus Pereira, pela primeira vez titular, fez duas assistências para golo, isto depois de na semana passada já ter garantido um empate à sua equipa após grande penalidade cometida sobre si.  

 

Podia ainda escalpelizar a entrada de Borja (em detrimento de um ala) que implicou mexida no sector recuado, na evidência de um Vietto desinspirado que não defende e assim é um jogador a menos, na extraordinária oportunidade dada a Plata de jogar 1 minuto, ou nas três grandes penalidades marcadas em Alvalade contra o Sporting - ai Jesus (o outro), devo ter de viver 10 vezes para vêr algo semelhante ocorrer na Luz ou no Dragão - , mas sinceramente hoje falta-me em espírito e ânimo aquilo que me sobra em tristeza.

 

Sem sustentabilidade, sem Cultura corporativa, sem resultados desportivos relevantes (mínimo=qualificação para a Champions), quo-vadis Sporting?  

 

P.S.1: Recupero aqui um pequeno excerto de uma entrevista concedida por Malcolm Allison ao jornalista Neves de Sousa, onde após a sua saída de Alvalade tentou explicar a sua filosofia sobre os clubes de futebol: "O director compra as sementes e é o jardineiro. O médico aconselha os adubos. O treinador é o Sol. (N.A. os sócios são o solo fértil.) Quando os directores ficam convencidos de que são espertos de mais e sabem tudo, cai o império. É o fim, o Sol não volta e as flores murcham e morrem." - com a devida ressalva em relação ao eclipse solar prolongado de Keizer, após um início retumbante (o que terá acontecido ao futebol sem medo, de pressão alta e recuperação em 5 segundos?), é difícil não ficar a pensar nestas palavras proferidas por Big Mal. 

P.S.2: Pegando no que escreve o meu amigo José Navarro de Andrade no "És a nossa FÉ", façam o favor de permitir que se possa entoar "O mundo sabe que..." sem que entretanto comece o jogo. O Sporting tem de ter alma, essa música é para ser sentida, é um momento de reclusão, de introspecção dos nossos sentimentos leoninos, que não deve ser dividido com a emoção própria exteriorizada num lance de futebol.

sportingrioave 2.jpgTenor "Tudo ao molho": Bruno Fernandes

27
Ago19

O valor de Bruno


Pedro Azevedo

49 golos, 40 assistências, participação importante noutros 35, eis os números ofensivos (compilados por "Castigo Máximo") de Bruno Fernandes no Sporting. Resumindo, num total de 227 (108+113+6) golos marcados pela equipa, o nosso capitão esteve em 124, ou seja, em 54,6% dos lances decisivos. Analisando por outro prisma, tendo participado em 113 jogos pelo Sporting, a sua acção redundou em 1,1 golos/jogo. É este o valor, em termos atacantes, do "número 8" para nós, um caso único no mundo na sua posição. Ele que também é solidário com a equipa e defende, recupera bolas, o que ainda aumenta mais o seu valor. Haverá preço que pague isto? (Valorizemos o que é bom e nosso.)

bruno fernandes.jpg

03
Ago19

A Comunicação à volta de Bruno


Pedro Azevedo

Os jornais publicam hoje notícias dando conta que na Sexta-Feira, numa reunião em que alegadamente esteve presente conjuntamente com o seu empresário e a Estrutura leonina, Bruno Fernandes terá pedido para "não lhe cortarem as pernas". Não sei quem plantou tal notícia, se o empresário a fim de forçar a saída do seu representado, se o clube como forma de justificar aos seus sócios e adeptos a saída do seu melhor jogador, o que me parece claro é que mais uma vez o Sporting é que fica a perder, essencialmente por duas razões: primeiro, os putativos compradores saberão jogar com a pressão alegadamente exercida por Bruno, não oferecendo o valor justo pelo atleta; segundo, a 24 horas de um jogo importante para a Supertaça, este tipo de notícia assume um carácter desagregador e retira foco. Eu não sei o que a Comunicação do Sporting planeia fazer acerca disto, o que me parece óbvio é que devia dizer algo, por um lado para que o clube não dê parte de fraco perante o mercado, por outro a fim de salvaguardar Bruno Fernandes, o capitão da equipa, perante os colegas do balneário, sócios e adeptos, ele que até hoje tem sido digno de grande estima e consideração pela sua postura profissional irrepreensível.  

02
Ago19

A diferença entre valor e preço


Pedro Azevedo

Anda por aí muito boa gente que diz que o valor de um atleta é o preço que alguém paga por ele. Nada mais errado, pois se assim fosse, e meramente à laia de exemplo, os mercados financeiros não oscilariam diariamente na ausência de novas notícias ou indicadores de desempenho, porque estariam sempre certos. Se forem falar com lendários investidores como Warren Buffet ou Bill Miller (Legg Mason), este último mais desconhecido para o grande público mas sobejamente identificado nos mercados financeiros como alguém que bateu o desempenho do S&P500 (índice de acções americano) durante 15 anos consecutivos, eles dir-vos-ão isso. Por exemplo, o preço de uma garrafa de água é algo conhecido em média e varia com um desvio-padrão relativamente curto. Mas qual será o valor de uma garrafa de água no deserto durante um dia de tórrido calor? O valor tem a ver com o rendimento que aquele activo tem para nós (dividendo, se estivermos a falar em acções; desempenho desportivo, no futebol; sobrevivência, no caso da garrafa de água), o seu potencial de crescimento, a qualidade intrínseca ao seu desempenho e o custo de oportunidade da sua substituição.  

 

Por isso, os investidores em "valor" compram activos quando a sua avaliação dos mesmos é superior ao preço de mercado e vendem-nos quando ocorre o contrário, porque têm a consciência que os mercados tão depressa reagem exageradamente como também subestimam determinados activos, essencialmente devido a decisões emotivas e altamente especulativas. Não esquecer também que, no caso do futebol, o activo jogador está relacionado com o activo clube, no sentido do desempenho deste último, da sua visibilidade nos grandes palcos, da sua performance económico/financeiro, sua relação com empresários e política a este respeito, entre outros parâmetros de análise. Chegados aqui, o que importa à Administração da SAD do Sporting reter é se o valor do atleta Bruno Fernandes para eles é superior ou não ao preço que o mercado está disposto a pagar por ele. E, se o for, tomar a decisão de naturalmente não o vender. Havendo a consciência que a diferença de preço entre, por exemplo, João Felix e Bruno Fernandes, poderá pouco ter a ver com o valor intrínseco de cada um e dentro de algum tempo poderá inverter-se. Se dúvidas houver, atente-se na transferência de Renato Sanches para o Bayern, a qual com objectivos ascendia a cerca de 60 milhões de euros. Qual será hoje o preço do "bulo"? O mesmo é válido para João Mário.

27
Jul19

Omnipresente "ma non troppo"


Pedro Azevedo

Esta coisa de mudar Bruno Fernandes de posição, na esperança de acomodar com o mínimo de estragos o Vietto no "onze", faz-me muita confusão. Dirão alguns que resultou contra o Liverpool e não deixa de ser verdade, mas duvido que possa funcionar com equipas cuja principal preocupação seja condicionar o nosso jogo. Para estas, quão menos interior esteja Bruno, mais fácil se tornará controlá-lo, na medida em que o seu raio de acção estará diminuido.

 

Eu compreendo que Vietto não seja um ala, não entendo é que se contrate um jogador para uma posição (segundo avançado) que não existe no sistema táctico de Keizer (pelo menos no Plano A), e menos ainda atinjo que seja uma boa solução o deslocamento do melhor jogador da Liga 2018/19 para a esquerda. Bem sei que os laterais esquerdos leoninos (quaiquer que eles sejam) agradecerão não terem o argentino a "ajudar" (fechar na ala), mas por essa ordem de ideias ainda vamos ver Tiago Ilori a ponta de lança: pode não marcar golos, mas fica mais difícil oferecê-los aos adversários.

 

Bruno Fernandes é um médio ofensivo de grandes espaços. Dá ares de Zidane como criador de todo o jogo, lembra Platini na capacidade goleadora e definição na área, assemelha-se a Deco em solidariedade defensiva e compromisso com a equipa - Bruno é um 3 em 1. Nesse sentido, afastá-lo do centro das principais acções é um erro, como igualmente o seria retirar do nosso corpo os nociceptores (terminações nervosas que comunicam ao cérebro a dor) que dão o alerta de apendicite, em vez de simplesmente remover o apêndice. Não faria sentido, pois não? 

 

Bruno Fernandes parece sempre estar em todo o lado no relvado, nesse contexto ele é omnipresente. Mas também Deus o é (globalmente), e nem Ele consegue evitar muita desgraça que anda por aí... 

25
Jul19

Saudades de alguém ainda presente


Pedro Azevedo

Javier Marías, um grande vulto da literatura que nunca sentiu complexos em escrever sobre futebol e o seu Real Madrid, dizia que uma das piores coisas da vida era quase nunca se saber quando seria a última vez do que quer que seja. Não saber no momento próprio que aquele era o último romance de Bernhard, ou o último filme de Hitchcock, ou mesmo o último dia da nossa existência, pairando assim aquela sensação de que o que houve não chega, e de que não desfrutámos o que poderíamos se soubessemos que aquela seria a última vez.

 

Este trecho veio-me à cabeça a propósito da angústia que venho sentindo nesta pré-época de cada vez que vejo jogar Bruno Fernandes. Tenho a sensação de que algo que me entusiasma se encaminha para o fim, e já não consigo desfrutar da mesma forma do prazer que é ver jogar esse enorme craque sem que o meu pensamento seja tolhido pela melancolia de que essa possa ser a última vez. A cada novo golo, assistência ou malabarismo, um peso vai invadindo a minha consciência.  No fundo, sinto-me nostálgico por ter saudades de alguém ainda presente, um estado de alma que o Leitor poderá considerar um paradoxo, mas que não deixa de ser real. Nesse transe, como poderei eu festejar entusiasticamente como outrora cada lance de génio do Bruno, já sentindo tanto a sua (futura) ausência? Apre, que este mercado mais parece o purgatório do mundo sportinguista! 

 

PS: Se Bruno sempre foi o pensador, o homem que escreveu as páginas mais belas do Sporting destes últimos dois anos, Wendel é puro instinto. Ele é samba, ele é ritmo, ele é música. Uma lástima Jorge Jesus não ter compreendido que a música, ao contrário da letra, não precisa de tradução para mandarim...  

17
Jul19

Bruno, o craque "under pressure"


Pedro Azevedo

Líder, capitão, craque. Goleador, inspirador, melhor jogador. Influente, assistente, inteligente. Humilde, fiável, um "relógio suiço". Imune à pressão, sempre em alto rendimento, com compromisso e foco. Um jogador à Sporting!

 

#CraqueUnderPressure

bruno benfica.jpg

30
Jun19

Bruno Fernandes, a revolta do Fado


Pedro Azevedo

Quando observo Bruno Fernandes, eu vejo um menino a fugir ao seu destino. Os seus olhos tristes são reminiscências de um passado sem tempo para sorrir, por cedo ter trocado o ócio pelo ofício, convertendo o brinquedo-bola na arte da sua labuta diária; a sua impaciência, ou permanente insatisfação, ilustrativa de quem não quer chegar atrasado ao encontro com o futuro, pretende ganhar tempo ao tempo e assim vencer para sempre o fatalismo tão português.

 

Se Maradona foi "la revancha del tango", Bruno é a revolta do fado. Ao contrário de d10s, não chegou a Itália como um ídolo de multidões. Não foi ensinar nada aos italianos, mas sim aprender. A distância do pé para a bola, a alavanca da perna, o aproveitamento do peso do corpo, lições úteis da arte de bem rematar que estudou com os mestres transalpinos. Aí também entendeu melhor o jogo, as nuances tácticas, a ocupação do espaço, a intensidade na recuperação de bola. De Novara a Udine, até chegar a Génova, cidade de Colombo e ponto de partida para uma gesta gloriosa com uma primeira escala no porto de abrigo de Alvalade. 

 

Nestes dois anos de leão ao peito tenho-o visto muitas vezes carregar a equipa às costas, marcar 2 golos decisivos como na jornada dupla da Taça de Portugal com o Benfica: o primeiro para alimentar o sonho, o segundo para o tornar realidade, momentos paradigmáticos do jogador em quem as bancadas depositam a esperança em novos dias de glória. Focado como é, aquele ar zangado que permanentemente exibe não esconde a noção de que transporta o peso do mundo sportinguista aos seus ombros, as nossas ambições, os nossos anseios. Dele esperamos sempre o inesperado, o paradoxo do intangível, a fé que não se explica. Ao longo dos anos tivemos grandes jogadores, mas nenhum foi tanto uma equipa como Bruno Fernandes. Ele ataca, ele defende, ele adverte, ele comanda, ele nunca se rende. Marca livres, cantos, penalidades, é o dono da bola. À sua volta todos melhoram, todos ficam mais confiantes, inspirados por este operário-artista, tão capaz de tocar o bongo como de produzir música celestial.

 

Com ele em campo não há derrotas antecipadas, Adamastor e suas tormentas. Ele é a Boa Esperança, o trevo-de-quatro-folhas encontrado para lutar contra a impossibilidade, a desconfiança e a descrença. 

 

Bruno Fernandes, o melhor jogador da Primeira Liga para o autor de "Castigo Máximo"

bruno fernandes.jpg

10
Jun19

Bruno Fernandes no Onze Ideal da Liga das Nações


Pedro Azevedo

Os observadores técnicos da UEFA presentes na fase final da Liga das Nações já escolheram o Onze Ideal da prova, e Bruno Fernandes consta nele.

 

Numa lista onde entram 5 jogadores portugueses, aqui ficam os nomes dos eleitos pela UEFA: Jordan Pickford; Nélson Semedo, Rúben Dias, Virgil Van Dijk e Daley Blind; Frankie de Jong, Giorginio Wijnaldum e Bruno Fernandes; Bernardo Silva, Cristiano Ronaldo e Xherdan Shaqiri.

17
Mai19

Bruno e o paradigma do interesse comum


Pedro Azevedo

Antigamente, para um jogador, proveniente da Formação ou recrutado em outro clube, chegar à equipa principal do Sporting era o suprassumo de uma carreira. Esse tempo mudou, ao ponto de um ex-salgueirista, modesto defesa, na sua primeira conferência de imprensa no José Alvalade, ter dito que via o Sporting como um trampolim para o Inter de Milão. O tiro acabaria por lhe sair pela culatra e o coice da arma levá-lo-ia até Leiria para jogar no União, clube mais à escala (mas não Scala) do seu escasso talento futebolistico.

 

É perfeitamente natural que um jogador aspire a resolver rapidamente a sua situação financeira. A não-harmonização da carga fiscal a nível europeu provoca desigualdades que fazem com que mesmo clubes fora do primeiro mundo do futebol possam ser competitivos face aos portugueses, o que vem somar ao menor Produto da economia nacional face aos países europeus mais desenvolvidos. Por isso, os jogadores querem sair. Muitas vezes desordenadamente, sem cuidar de olhar para a sua carreira. Apenas os mais inteligentes são capazes de resistir ao primeiro impulso. Será o caso de Bruno Fernandes, que recentemente reconheceu ter tido dúvidas no ano passado se estaria preparado para uma grande equipa europeia. Por isso, preferiu ficar, ganhar mais maturidade, investir no seu currículo, consolidar as suas estatísticas de jogo, assumindo a batuta de uma equipa da qual é maestro incontestado. O prémio está aí a bater-lhe à porta.

 

Muitos outros não sabem esperar. Mesmo quando a isso obrigados por questões contratuais, desesperam. Querem sair e acabam por Investir menos na qualidade do seu jogo. Perdem valor. Terá sido o caso recente de William Carvalho, um jogador que, na minha opinião, não se voltou a exibir ao nível de 2013/14, a sua época de estreia numa equipa, há época, liderada por Leonardo Jardim. É certo que manter durante muito tempo um jogador contrariado também não é bom para o clube, mas acredito que todas as partes ganhariam se houvesse um plano conjunto de carreira, com objectivos claros para todos. William saiu para o modesto Bétis, emblema com história mas com um presente de clube periférico face à elite do futebol espanhol, actualmente 10º classificado da La Liga. 

 

A carreira de um jogador é curta e sujeita a muitos imponderáveis. A mudança de treinador, de modelo de jogo, uma lesão incapacitante de médio-longo prazo, a qualidade do plantel são tudo constrangimentos a pesar sobre o valor de um atleta. Isso, obviamente, gera ansiedade, que é preciso saber gerir com sobriedade e equilíbrio. Visando o essencial: o jogador querer continuar a melhorar todos os dias. Algo visível nos últimos anos no Sporting foi a incapacidade sentida em vários atletas, época após época, em darem um salto qualitativo. Tirando o caso de Rui Patrício, que foi acumulando a experiência essencial à sua posição no terreno, a maioria dos jogadores estabilizou ou regrediu. Para além de William, Gelson foi incapaz de encontrar o fim do labirinto de chicuelinas em que se tornou o seu futebol, Podence não melhorou a sua relação com o golo. Talvez por isso, apenas Adrien, Slimani ou João Mário encontraram por parte do clube comprador a recompensa devida para alegria de todas as partes. Essencialmente, porque elevaram o nível do seu futebol, à semelhança do que Bruno Fernandes (em todo o seu esplendor) e Wendel fizeram este ano.

 

A saída prematura de vários atletas muitas vezes constitui um tampão à progressão da sua carreira. Nem sempre a escolha de um clube grande europeu se revela compensadora, principalmente quando o jogador é muito jovem. Será o caso de Renato Sanches, o qual pouco jogou nos seus dois anos de Bayern. Outros há, como Bernardo Silva, que foram dando passos em crescendo, de um Mónaco para um Manchester City, e assim consolidando a sua carreira. Tendo a sorte de, pelo caminho, encontrar um Jardim ou um Guardiola, tal como Ronaldo teve em Ferguson um trampolim para o sucesso. Dos mais maduros, custa vêr Patrício num Wolves de ambições limitadas (pese embora o excelente trabalho de Nuno), ele que mereceria um clube mais à altura da sua qualidade. Apesar disso, pegou de estaca.

 

Este arrazoado serve para expressar a ideia de que muitas vezes a articulação entre os interesses do jogador e do clube é boa para o futebolista. Quando este pretende sobrepôr a sua vontade pessoal, embalado pelo canto das sereias (que na vida real tomam a forma de alguns empresários), e deixa de pôr o foco na progressão do seu jogo geralmente as coisas correm mal. Nesse sentido, o exemplo de Bruno Fernandes deveria ser utilizado pelo Sporting para demonstrar o caminho correcto. Que, lugares comuns à parte, se faz caminhando. Preferencialmente, no sentido certo. Caso contrário, de que serviria caminhar?

bf.jpg

07
Mai19

O Leitor como Gestor do Futebol


Pedro Azevedo

Cinco perguntas aos Leitor:

1) Venderia Bruno Fernandes este ano por um valor abaixo da cláusula de rescisão?

2) Se sim, por que valor? Se não, indique as razões.

3) Consumada a transferência, que % da mesma gastaria em contratações?

4) Que posições reforçaria? 

5) Que jogadores contrataria para essas posições?

 

PS: Caso Bruno Fernandes não seja vendido, qual seria a sua estratégia (de vendas) para equilibrar o orçamento e, eventualmente, permitir uma aquisição cirúrgica?

07
Mai19

Bruno e a essência da paixão


Pedro Azevedo

Por algo que só mais tarde vim a compreender, a minha ligação ao Sporting nunca foi alimentado pela rivalidade com outros clubes. Na minha meninice, bem tentei odiar o Humberto Coelho ou o Chalana mas falhei por completo, não resistindo a admirar a liderança serena de um ou o génio exuberante do outro no terreno de jogo. Da mesma forma, aprendi a gostar da postura do treinador Toni, um homem sem fanatismos esdrúxulos e que, no meu entendimento, nunca fez mal ao futebol.

 

Não, não foi pelos piores motivos que alimentei o meu amor ao Sporting. A minha paixão pelo clube começou ao ouvir na telefonia os golos improváveis do Yazalde, as fintas desconcertantes do Dinis, as arrancadas do Marinho e as defesas impossíveis do Damas, e foi reforçada pelo sortilégio de pisar pela primeira vez o solo sagrado do antigo José de Alvalade. Aí, primeiro na Superior, depois na Bancada Nova, até me fixar na Bancada da Tribuna de Honra encostado ao varandim, fui tendo a minha vivência de Sporting. 

 

Ao longo dos anos vi passar grandes jogadores pelo nosso Sporting. Desde o Manuel Fernandes ao Oliveira, passando pelo Jordão, Fraguito ou Futre, do Figo ao Balakov, não ignorando o Paulo Sousa ou o Cherbakov, estes últimos, por motivos diferentes, em passagem meteórica pelo leão rampante. Mais tarde, vi nascer o Quaresma e o Ronaldo, e com eles a consolidação de mais uma bandeira da nossa Cultura, a aposta na Formação, que passámos orgulhosamente a ostentar de mão dada com o ecletismo.

 

Com o passar do tempo, o futebol-negócio foi tomando o lugar do futebol-espectáculo. A abertura das fronteiras europeias e o fim das restrições em certos países à aquisição de jogadores estrangeiros, tornou mais difícil a vida dos grandes clubes dos pequenos países periféricos e afectou a sua competitividade extramuros. Pensei, por isso, que não os formando em nossa casa, jamais conseguiríamos ter acesso a um desses craques do passado.

 

Eis então que vi pela primeira vez jogar Bruno Fernandes. E fiquei maravilhado. Quem me segue certamente não olvidará que sempre o considerei, por larga margem, o melhor jogador do Sporting. Mesmo quando sondagens de opinião entre adeptos não o colocavam entre os 3 melhores do plantel na época passada. Mas não é para mostrar razões que escrevo este texto, mas sim para partilhar uma reflexão que adiante desenvolverei.

 

É mentira que não haja jogadores insubstituíveis: Eusébio, Cruijff, Di Stefano, Pelé, Beckenbauer, Maradona, Messi ou Ronaldo foram ou são insubstituíveis. Pelo menos durante décadas, e mesmo assim nenhum adepto quer ter de esperar 50 anos para por fim vêr um Cristiano se equiparar ao outrora esplendor da "seta rúbia", Don Alfredo.

 

Enfrentemos a realidade: Bruno Fernandes é hoje insubstituível. Nenhum médio do Sporting conseguirá nos próximos tempos ter uma influência de cerca de 60% nos golos do clube. Uma barbaridade! Por outro lado, exibe uma liderança pelo exemplo que serve de inspiração a todo o plantel. Um jogador com esta relevância deveria sair com o título de campeão nacional. Por isso, dever-se-ia aumentá-lo e convencê-lo a ficar connosco mais uma temporada. Por ele e por nós. Assim, teria a motivação extra de deixar a sua marca para sempre no futebol do clube, vencendo o desígnio de outros craques como Balakov e Figo (para não falar de Futre)  que saíram de Alvalade sem coroa nem glória. E, aos 25 anos, ainda estará muito a tempo de deixar o seu nome gravado no futebol internacional. 

 

P.S. Se ninguém pagar a cláusula de opção, dêem-lhe os 5 milhões. Se um Kepa, guarda-redes, também ele não titular da sua selecção e oriundo do Atlético de Bilbau, vale 80 milhões para um Chelsea, porque é que nos havemos de contentar com pouco no que respeita a Bruno Fernandes, o médio mais goleador da Europa? Assim, repito o pedido/apelo que hoje Ristovski lhe formulou (a julgar pela imagem pode ser que esteja a ouvir): FICA!!!

brunofernandes10.jpg

06
Mai19

Tudo ao molho e fé em Deus - Killer Instinct


Pedro Azevedo

Em Manhattan, as ruas não têm nomes mas sim números. No Jamor, a equipa da casa também não tem nome. E hoje o Sporting deixou-a feita num oito. É o que geralmente acontece no futebol quando, de um lado, se reúne uma equipa com tendências suicidas e, do outro, uma (finalmente!!!) com "killer instinct".

 

Silas será, porventura, um treinador para equipa "grande", com guarda-redes, defesas e médios com qualidade técnica superior que garanta alta eficácia de passe perante o risco iminente. Numa equipa média, tal ambição assemelha-se a praticar trapézio sem rede e a queda pode ser bem dolorosa. Ainda assim, os azuis estão fora de perigo, no nono lugar da tabela classificativa, sinal de que a estratégia serviu para o nosso campeonato, facto digno de realce num clube (SAD?) com as dificuldades por todos conhecidas.

 

Num final de tarde triste para Muriel, acabou por ser Guilherme, o seu substituto, a "pagar as favas" (são verdes...). Tudo começou quando aos 4 minutos o guarda-redes brasileiro arriscou um passe para Eduardo, que estava pressionado por dois adversários. Da perda de bola subsequente resultou, primeiro, um remate de Raphinha que encontrou Luíz Phellype (deitado) no caminho da baliza e, depois, um chuto de Bruno Fernandes salvo sobre o risco por Cleylton. Em condições normais, tal seria considerado um aviso. Acontece que, 6 minutos depois, Muriel repetiu a gracinha e agora com consequências bem mais gravosas para a sua equipa: Raphinha interceptou a bola, iludiu um defensor contrário e rematou de pé direito para o primeiro golo do jogo. (Ou como uma ideia de sair a jogar se transforma em hara-kiri.) 

 

Se as coisas já não estavam a correr bem a Muriel, ainda viriam a piorar: Bruno Fernandes e Raphinha combinaram para aplicar na prática o enunciado da Lei de Murphy e o guarda-redes acabou expulso. Silas alterou o seu 3-5-2 para um 4-4-1, fazendo sair um dos centrais e baixando os alas para posições defensivas, a fim de que pudesse entrar alguém para a baliza. Em cima do intervalo, Bruno Fernandes, com um toque de magia (calcanhar), serviu Luíz Phellype para o segundo golo dos leões, o sétimo do brasileiro em seis jogos consecutivos a marcar.  

 

No início da etapa complementar, o Sporting abrandou um pouco o ritmo. Os azuis ameaçaram e à segunda tentativa reduziram o marcador. Mas estava escrito que o dia não seria bom para os pupilos de Silas e, para prová-lo, nada como Gudelj finalmente mostrar a sua lendária, dir-se-ia até hoje mitológica, meia distância, ainda que para tal tenha beneficiado de uma carambola digna do Mundial de Snooker que se está a disputar em Sheffield, Inglaterra. Com o golo sofrido, os azuis definitivamente baixaram os braços. Já desorientados, de uma bola perdida na sua área viria a resultar um penálti desnecessariamente cometido sobre Luíz Phellype. Na conversão, Bruno Fernandes marcou o seu primeiro da tarde. Com 20 minutos ainda para jogar, o Sporting manteve a pressão, revitalizando o miolo do terreno com a entrada de Idrissa Doumbia para o lugar de um pouco intenso Wendel. Bas Dost preparava-se para ir a jogo, mas o Felipe das Consoantes não abandonaria o campo sem deixar pela terceira vez a sua marca no jogo, interpondo-se entre um defesa e o guarda-redes adversário e servindo em bandeja de prata Bruno Fernandes para novo golo. Mal entrou, o holandês marcou: nova bola perdida pelos azuis no seu meio-campo e Bruno Fernandes a servir Dost, o qual marcou à segunda. Depois, Acuña centrou da esquerda e Bruno Fernandes, sem deixar a bola cair, completou o hat-trick, obtendo o seu 31º golo da época, um record europeu para um médio. A partida não terminaria sem que Doumbia se estreasse a marcar - aventurou-se em caminhos que para o colega sérvio seriam o Cabo das Tormentas -, após assistência de Diaby (e belíssima simulação de Dost), na sequência de um passe de ruptura de (quem mais?) Bruno Fernandes (31 golos, 18 assistências, participação importante em outros 16 golos, ou seja, influência em 59,6% dos golos do Sporting). Foi o 109º golo da temporada, marca que suplanta os 108 golos da última temporada de Jorge Jesus, quando ainda faltam 3 jogos para terminar esta época.

 

Em conclusão, na jornada em que deixou de ter hipóteses matemáticas de ganhar o campeonato, o Sporting registou a sua vitória mais robusta da época. O "killer instinct" tão arredio ao leão rampante - na década de 90 já Bobby Robson se queixava da sua ausência - acabou por se manifestar de forma exuberante, algo inimaginável num campo onde o mais que provável futuro campeão nacional perdeu por dois golos de diferença (na Luz, o Benfica também não bateu o Belenenses SAD). Uma pequena compensação e mais uma demonstração do sortilégio do futebol, a fazer-me lembrar um outro 8-1, ao Braga, que há 35 anos atrás presenciei no antigo José de Alvalade. Dia 25 voltaremos ao Estádio Nacional, na esperança de que desta vez não haja um (J)amor de perdição que tudo deite a perder. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Fernandes. Menções honrosas para Luíz Phellype e Raphinha. Destaque especial para o regresso de Bas Dost (1 golo). 

BrunoFernandesBelenenses.jpg

28
Abr19

Tudo ao molho e fé em Deus - O Castro e o ferro


Pedro Azevedo

Durante um quarto de hora, o Sporting abdicou de se acercar das muralhas do Castelo de Guimarães. A tarde, soalheira, convidava mais à praia do que a batalhas castrenses e um Sporting invulgarmente contido preparava o engodo para adormecer os vimaranenses. Propositadamente, ou devido aos ajustamentos necessários à integração de um novo elemento (Doumbia) numa zona vital do terreno, a equipa mantinha-se na expectativa. Entretanto, o Vitória tinha a ilusão de que controlava o jogo e ia trocando a bola de pé em pé. Convencido de que a melhor defesa é o ataque, o líder vimaranense ordenara aos seus guerreiros para atacar o último reduto leonino e Davidson esteve à beira de causar danos profundos, não fora um mau domínio no momento decisivo quando já só tinha Renan pela frente. Sentindo o perigo, os leões iniciaram a exploração do espaço nas costas do adversário. Primeiro desastradamente através de Diaby, um homem lançado brilhantemente por Keizer para criar no adversário a utopia de que nada tinha a temer. Sem que os de Guimarães o pudessem sequer imaginar, em pouco tempo o Sporting transformaria o castelo em ruínas arqueológicas dignas de um Castro. Como sabem, um Castro é típico da idade do ferro e Raphinha, Bruno Fernandes e Phellype substituiram o Carbono-14 nos testes ao metal. Pressentindo que os vimaranenses estavam datados, os leões atingiram pela primeira vez o seu coração, contando para isso com a colaboração de um observador independente - não vislumbrou uma manobra irregular fora da sua área do argentino Acuña - e de um cavalo de tróia, o antigo vitoriano Raphinha (autor do 100º golo do Sporting na temporada). Antes de uma breve trégua retemperadora de 15 minutos, tempo ainda para Phellype realizar o quarto e último exame ao ferro.

 

Reatada a batalha, Bruno Fernandes voltou a ameaçar as muralhas de Guimarães. Seria o presságio para o que viria a seguir: Raphinha dançou à porta do castelo, iludindo dois vimaranenses que a protegiam, e permitiu a Phellype finalmente arrombar a casa da guarda, a sexta vez que o faz perante cinco oponentes consecutivos diferentes.

Os vitorianos não desistiram e Keizer voltou a ser brilhante, trocando o inoperante Diaby por um hesitante Borja, um colombiano que a cada arrancada de 10 metros pára a fim de se interrogar sobre a condição humana, regressando de seguida ao local de partida. (Ao contrário do maliano, que denota inteligência nas movimentações mas tem assim um género de produto cerâmico em forma de paralelepípedo, vulgo tijolos, nos pés, o lateral que veio de um clube mexicano tem boa relação com a bola mas, das duas uma, ou parte para as jogadas de ataque com 1906 possibilidades no seu cérebro, e depois baralha-se e entra em convulsões com tanta opção, ou não tem nenhuma ideia, parte à aventura, e depois logo vê o que pode ou não improvisar, sendo que, seja qual fôr a hipótese mais credível, o resultado tem sido, em regra, a inconsequência.)

Claro que tudo isto fez parte de uma estratégia de disuassão do técnico holandês, servida para dar ao adversário a ilusão de que teria os leões na mão. A verdade é que os vimaranenses voltaram a morder o isco, mas o cansaço de Wendel - com a tarde quente e os 30 minutos que esteve a aquecer, Miguel Luís já estava em ponto de ebulição quando entrou em campo - , Bruno e Raphinha impediu que não ficasse pedra sobre pedra no castelo do Guimarães. Na senda da oportunidade aos jovens da nossa Formação, ainda houve tempo para o salomónico Keizer dar também 1 minuto a Jovane, o que a julgar pelo que tem acontecido a Xico Geraldes deve ser entendido como um presságio de que o cabo-verdiano deve ficar fora dos convocados na próxima semana. No final, nona batalha consecutiva ganha pelos leões. Como em tempos pediam os madridistas: venha a décima!

Em resumo, uma tarde bem passada, e se muito aqui se falou do ferro, dado o sol que incidiu sobre as bancadas também o bronze se tornou inevitável. ( "O ferro e o bronze" porventura seria um título mais apropriado para esta crônica.)

 

Tenor "Tudo ao molho...": Raphinha. Menções honrosas para Bruno, Phellype e Doumbia.

raphinha2.jpg 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.