Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

07
Jan20

Rescaldo do Clássico


Pedro Azevedo

Em Portugal, o comentário futebolístico enferma muito de contaminação pelo resultado. A verdade é que foi o melhor jogo que a actual equipa do Sporting pode fazer. Num dia normal até teria dado para ganhar. Não deu porque no desporto, como na vida, a eficácia é determinante. Por muito que se valorize o trabalho, a transpiração necessita sempre do auxílio da inspiração para produzir resultados. Assim, apesar de ter querido mais ganhar que o seu adversário, o Sporting acabou por perder. E de forma justa, na medida em que no futebol ganha quem marca mais golos e o Porto fez mais um. 

 

No futebol, a eficácia está dependente da concentração e da qualidade dos jogadores. Duas distrações defensivas leoninas resultaram em dois golos portistas, má definição em frente da baliza impediu o Sporting de materializar no marcador a sua superioridade em campo (Marchesin nem sequer foi chamado a defender em qualquer uma das seis ocasiões flagrantes de golo desperdiçadas pelo Sporting, o que atesta o demérito leonino na hora da concretização). 

 

Ao contrário do que é habitual, não foi um jogo onde os médios tenham estado particularmente bem. Especialmente os volantes ("6") ou segundos volantes ("8"), que passaram um pouco ao lado do jogo. Doumbia e Danilo deram pouco ao jogo ofensivo das suas equipas e defensivamente foram apanhados demasiadas vezes desposicionados, Wendel e Uribe tiveram posse sem grande critério. Com Bruno Fernandes muito vigiado nas suas acções, encontrando apenas espaços por fora, acabaria por ser Nakajima a dar mais nas vistas, quebrando linhas com entradas em drible que desestabilizaram a linha média leonina.

 

Houve uma importante componente de estratégia por parte dos dois treinadores, a qual se materializou mais pelas movimentações na esquerda dos dois ataques: Sérgio procurando posicionar aí Marega para explorar as suas diagonais nas costas da defesa dos leões, Silas tentando aproveitar o balanço ofensivo de Acuña - o melhor jogador em campo - em contraponto com a menor propensão defensiva de Corona. No final, ambos os treinadores recolheram dividendos dessas apostas estratégicas. Adicionalmente, o Porto voltou a ser muito forte na bola parada, momento do jogo em que é a equipa mais forte do campeonato, tendo Soares resolvido na sequência de um pontapé de canto.

 

O Porto tinha 3 soluções atacantes no banco que o Sporting não possui. Aboubakar, Zé Luis ou Luis Diaz seriam titulares de caras no Sporting e nem sequer jogaram de início nos dragões. Tal possibilitou a Sérgio lançar o colombiano com acréscimo de rendimento global para toda a equipa, algo que Silas não conseguiu com a introdução de Jesé, Plata e Camacho.

 

Sendo certo que ambas as equipas precisavam de ganhar, Silas mostrou maior ambição do que Sérgio. No entanto, a vitória viria a cair no regaço do treinador portista sem que este tivesse feito muito para a merecer. Sérgio privilegiou sempre o controlo das operações à tentativa de desequílibrio e quando mexeu na sua equipa já o jogo poderia estar perdido se o Sporting tivesse minimamente aproveitado o ascendente que teve nos primeiros 25 minutos da segunda parte. Mas, em jogos deste tipo, quem tanto falha (ofensiva e defensivamente) fica sempre mais próximo de perder. Em resumo, mais do que o Porto ter ganho o jogo, o Sporting é que o perdeu. 

soares.png

27
Jan19

7-3 em oportunidades de golo (ah e tal, o domínio do Porto...)


Pedro Azevedo

Se bem que o Porto, por mérito próprio e por vicissitudes que acometeram ao Sporting, tenha dominado uns bons 30 minutos da segunda parte, a verdade é que a equipa leonina teve bastantes mais oportunidades de golo. Assim, para além dos golos, enquanto o Porto só criou perigo em duas finalizações de André Pereira, o Sporting poderia ter marcado por Nani e Raphinha (duas ocasiões cada), Bruno Fernandes e Bas Dost. Isto é o que nos diz a inexorável frieza dos números...

raphinha.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Blogs Portugal

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Siga-nos no Facebook

Castigo Máximo

Comentários recentes

  • Pedro Azevedo

    Por acaso sabe (abro a pergunta a todos os Leitore...

  • Pedro Azevedo

    Muito obrigado, Miguel. Saudações Leoninas

  • Anónimo

    Boa tarde Pedro e Marcadores de Castigo MáximoAnex...

  • RCL

  • Pedro Azevedo

    Não é só uma questão de idade ou de invalidez, pes...