Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

06
Abr21

Tudo ao molho e fé em Deus

Regresso às aulas


Pedro Azevedo

Com o regresso às aulas voltaram também as lições de educação visual, trabalhos manuais e ciências. Nesse sentido, a régua, o esquadro e o microscópio foram muito utilizados pela sala do VAR, assim como a tesoura pela turma moreirense. A aplicação desta última sem a requerida cartolina (amarela, ou vermelha?) justificaria uma falta de material à classe arbitral, infração que já se sabe não constituir objecto de análise por parte do conselho disciplinar do colégio federativo. Restará assim a "jarra", se a associação de estudantes do apito não quiser passar uma borracha sobre o assunto.  

 

O Sporting também voltou ao campeonato. Não se pode dizer que o regresso tenha sido auspicioso, pois empatou. Para melhor tentar explicar aquilo que vi (não é axiomático) vou deixar a sátira de lado e concentrar-me na análise que me parece curial fazer nesta circunstância. Assim, mais preocupante que o resultado é a indefinição que se nota quanto ao melhor sistema de jogo a aplicar quando nos aproximamos do último quarto da competição. O sacrifício de um dos interiores (Nuno Santos ou Jovane) teve consequências na falta de apoio observado por Matheus Reis na altura de fechar o espaço a Walterson aquando do golo do Moreirense. Por outro lado, o transporte de bola em segurança de João Mário parece-me claramente sobrevalorizado num clube que quer ganhar todos os jogos, na medida em que retira imprevisibilidade à equipa e não proporciona os desequilíbrios que quem lute por títulos tem de provocar no adversário. A equipa parece estar a viver uma pequena crise de indentidade, dispersa entre o ataque rápido e transição que deram tantos dividendos no passado e os fundamentos do jogo de ataque posicional. A introdução de Bragança traz qualidade de passe e fluidez de jogo, mas se queremos um terceiro médio que contraste com estas características então Matheus Nunes, um dinamitador de linhas, seria uma melhor solução do que João Mário, amortecendo os efeitos da passagem abrupta do 3-4-3 para o 3-5-2. Por outro lado, os poucos minutos de jogo de Jovane são um mistério. O jogador foi progressivamente apagando-se nas preferências de Amorim depois de ter sido instrumental na imposição do jovem técnico em Alvalade no final da época passada. Esta temporada voltou a ter um papel importante quando reapareceu a tempo de evitar o terceiro resultado negativo consecutivo da equipa, ajudando assim a ganhar a Taça da Liga e a criar a confiança necessária que alavancou o nosso desempenho no campeonato. A sua escassa utilização desde esse momento não deixa de surpreender, ainda mais pelo facto de o jogador continuar a mostrar-se influente mesmo jogando muito pouco tempo. Ontem nem sequer foi a jogo, optando Amorim por manter um Paulinho claramente desgastado e ainda a acusar alguma falta de ritmo resultante da lesão que o impediu de realizar uma série de jogos. Ao contrário daquilo que vem sendo habitual, desta vez Amorim não conseguiu esconder os pontos fracos individuais dos jogadores. Assim, Porro mostrou-se desatento ao avanço de Abdu Conté nas suas costas e Feddal foi imprudente na abordagem ao lance fatal, procurando improvisar com o calcanhar sem ter o virtuosismo para tal requerido de um outro magrebino que imortalizou tal gesto técnico no Porto e na Europa, tudo situações que habitualmente não se revelam quando o Sporting está no relvado e que por falta de estrelinha desta vez vieram a redundar em golo no único remate enquadrado da equipa de Moreira de Cónegos. No plano positivo, Paulinho marcou finalmente um golo e mostrou bons pormenores que lhe podiam ter rendido um outro e uma assistência. No entanto, precisa de melhorar o timing de ataque à bola na área, aspecto em que ficou aquém após primorosa assistência de Porro que poderia ter resolvido o encontro. Bragança esteve em excelente plano, rodando a bola com rapidez, incorporando-se no ataque com critério e proporcionando uma excelente assistência para golo a Paulinho. Evidentemente, a avaliação é contínua e a equipa tem créditos acumulados que permitem antecipar uma óptima nota final, mas será importante voltar a estabilizar uma ideia de jogo clara e dar oportunidades a jogadores que façam efectivamente a diferença. A equipa parece viciada nos equilíbrios, mas é importante que haja também quem desequilibre. Igualmente, a manutenção de um elevado ritmo de jogo que não permita aos adversários reentrarem nas partidas parece-me chave para um final de época sem sobressaltos. Nesse sentido, noto que à semelhança do jogo com o Rio Ave estivemos longe de esgotar as 5 substituições possíveis. Mas há que aprender a lição e andar para a frente. Acreditemos, porque Amorim e a equipa merecem-nos esse capital de confiança. 

 

Tenor "Tudo ao molho...": Daniel Bragança

paulinhogolomoreirense1.jpg

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 06.04.2021

    Caro JG, não temos de concordar em tudo e penso que isso até é salutar e traz valor ao debate. A meu ver o maior apagamento de Pote deve-se a Paulinho descer mais, frequentemente entrando nos terrenos que o ex-famalicense costuma ocupar. Eu vejo o Pote como um jogador inteligentíssimo, com enorme capacidade de antecipar os lances é muito bom nas pequenas ligações. Embora possa ser também um organizador do jogo, vejo ali características comuns a João Vieira Pinto. Quanto ao João Mário, não está em causa o seu valor, mas sim na minha opinião a sua adequabilidade quando jogamos em 3-5-2. Parece um contra-senso falar-se de um novo sistema quando a crítica mais cominemos feita a Amorim tem sido só usar um sistema. Acontece que a sua adoção tardia é que me merece o comentário, principalmente a partir do momento em que já não é só Plano B e passou a Plano A. Antigamente a nossa solução para resolver jogos encalhados passava por um 3-2-5 ou 3-3-4. Se porventura fosse para segurar, então passávamos para o 3-4-1-1-1, com o Matheus com o Matheus entre a posição de médio e a de interior pela direita. O que eu vejo é que com 3 médios sem que um deles seja o Matheus temos menos rasgo atacante.

    Quanto ao Famalicão, eu sei que o Ivo é um excelente treinador, mas as suas equipas são permeáveis na transição defensiva. Creio por isso ser o jogo ideal para recuperarmos o nisso 3-4-2-1 que tão bons resultados nos tem trazido.

    SL
  • Sem imagem de perfil

    JG 06.04.2021

    Eu compreendo o comentário do Pedro. Sou um admirador do Bragança mas não o tinha colocado a jogar neste jogo específico. Eventualmente na segunda parte se fosse necessário gerir o jogo. Também acho que Bragança e João Mário são algo redundantes. Além disso prefiro João Mário na direita do que na esquerda mas sempre mais adiantado e descaído para uma das alas. UmA das coisas que me causa impressão nas opções de Amorim é a menor utilização de Matheus Nunes. Uma situação que se tem arrastado. Sobretudo em jogos como este. Para mim teria sido titular saindo Bragança e colocando Pote sobre o lado esquerdo. Tinha jogado com Palhinha, João Mário, Matheus Nunes, Pote e TT ou Paulinho. Com Jovane e Nuno Santos para poderem entrar na.segunda parte caso fosse -como foi - necessário acelerar o jogo.
    Espero que possamos vencer o Famalicão e manter, pelo menos, a distância para os perseguidores.
  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 06.04.2021

    Caro JG, o Bragança e o João Mário não seriam redundantes se o nosso jogo fosse iminentemente posicional. Mas não o é. A nossa equipa tem processos enraizados que privilegiam o ataque rápido e a transição. A entrada do Paulinho também cria algumas nuances. Ele desce mais e não ataca tanto a profundidade, de certa maneira entra muito nos terrenos de Pote ou de outro interior (se jogamos em 3-4-2-1). É um jogador mais para o ataque posicional. Ora, não sei se estas alterações todas são prudentes nesta altura do campeonato, caso tivessem sido implementadas desde o início seria diferente. Creio haver aqui um “crossroad” entre ataque posicional claro típico da escola holandesa e o ataque rápido que Amorim foi beber ao Liverpool de Cruijff. Provavelmente o Ruben estará a procurar mais soluções, o que é de todo compreensível. Porém, o risco é o de perdermos os processos simples que tão bons resultados deram anteriormente.

    Creio que ganharemos com facilidade ao Famalicão se jogarmos em 3-4-2-1. Mas o Porro que tenha muita atenção ao Ruben Vinagre, porque se o Famalicão se apanha na frente vamos passar um mau bocado.

    SL
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Lagartoviso

      Créditos para o Afonso Domingues Amorim, ehehehLuí...

    • Pedro Azevedo

      Caro FV, antes de mais o meu obrigado pelas suas a...

    • Anónimo

      Boa tarde Pedro,Finalmente CAMPEÕES!Muito merecido...

    • Pedro Azevedo

      Caro Luís, também deduzo que o Porro não volte a j...

    • Pedro Azevedo

      Finalmente! O Sporting é campeão 19 anos depois e ...