Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

13
Jan22

Tudo ao molho e fé em Deus

L’ Eça de Queiroz


Pedro Azevedo

Esta deslocação leonina à Capital do Móvel fez-me pensar em divãs e, mais especificamente, no divã de um psicanalista, tanta é a autofagia que ocorre no nosso clube após uma derrota. Sim, de uma derrota, uma única entenda-se, se tratou, pelo menos no que concerne às competições domésticas. Ainda assim, logo os fantasmas do passado vieram ao de cima e não faltaram profetas da desgraça a ensombrar o já de si difícil caminho que temos pela frente. Ora, na minha opinião, tal não faz sentido. Desde logo porque temos o Rúben Amorim entre nós, uma espécie de anjo da guarda que nos protege nas horas mais complicadas. E como o faz? Diagnosticando correctamente os problemas, propondo soluções ao grupo de trabalho e comunicando claramente com os adeptos. Isso dá-me confiança de que as coisas voltarão a entrar nos eixos. Não fará por exemplo do Esgaio um Beckenbauer, mas torná-lo-á mais competente, focado, solidário e consciente das suas melhores qualidades e limitações. Também enviará pistas ao Matheus Nunes sobre aquilo que lhe falta desenvolver para se tornar um jogador ímpar a nível europeu, nomeadamente uma maior desenvoltura no momento do remate à baliza que acompanhe o progresso já registado em termos do timing dos passes de ruptura. Adicionalmente, fará com que todos os jogadores sejam mais intensos nos momentos sem bola e assim contribuam para esbater o habitual défice de 2 contra 3 com que nos deparamos no miolo do terreno. 

 

Matutei sobre isto antes do jogo com o Leça, mas a análise posterior à partida reforçou a minha convicção sobre o impacto do Rúben Amorim no Mundo Sporting. Com ele podemos regular a hipertensão e dormir descansados, descartando os Xanaxs e os Lexotans de outros tempos. O que nos leva a substituir os proverbiais cinismo e apreensão antes de um jogo pela confiança total na equipa. Terá sido por isso, devido à enorme confiança, que a derrota nos Açores foi para todos surpreendente. Mais até do que a derrota, diria a atitude de deixar correr o marfim que acabou por a todos deixar de trombas. Porém, tratou-se de um mal menor, mau mesmo era quando uma derrota era vista como uma fatalidade, e a desesperança minava-nos a visão sobre o futuro. 

 

Outra coisa que me dá confiança é sentir que o destino joga por nós. Quer dizer, eu já na época passada havia sentido o mesmo. Dúvidas? Ora bem, o Porro estava para alinhar de início, mas quis a Divina Providência que este jogo servisse à redenção do Esgaio. E lá vieram duas assistências, uma mais que a outra que isto de pôr a bola nos pés de um tipo e reclamar os louros de uma assistência é como alguém cortar o cordão umbilical a um bebé e reivindicar o mérito de essa pessoa ao longo da sua vida adulta se ter mostrado independente. Outro exemplo foi o do Matheus Nunes. Tanto aqui reclamara para ele chutar que ao primeiro remate meteu a bola lá dentro! E ainda houve o Tabata, ele também a mostrar ser mais útil como interior do que como ala de pé trocado (o que em nada condisse com o adiantamento do "pinheiro" Coates para ponta de lança, o qual ficou à espera de Godot, que é como quem diz a aguardar sem esperança por cruzamentos que favorecessem mais quem atacava do que quem defendia). Já para não falar do Ugarte, o uruguaio que eu, sem saber se o jogador acabado de regressar de uma infecção por Covid estava em perfeitas condições, imaginei poder ter sido útil entrar contra o Santa Clara. Pois, o Ugarte é um miúdo que me enche as medidas, intenso e tecnicista, patrão e operário em partes iguais, que não perde uma oportunidade de morder os calcanhares ao Palhinha, situação da qual o Sporting só pode vir a beneficiar no futuro, desportiva e financeiramente. 

 

Contra o Leça, equipa que já havia aviado o Arouca e o Gil, o Sporting carimbou a passagem às meias-finais. Não fizemos mais do que a nossa obrigação, é evidente, jogando contra uma equipa do 4º escalão nacional, mas a atitude dos nossos jogadores prevaleceu sobre o resultado final e merece uma referência. Mostrando que a lição foi aprendida e apreendida entre todos. E tornando o futuro novamente mais previsível. Quer dizer, previsível de uma forma positiva que envolve unicórnios e estrelinhas e trevos de quatro folhas e corações verdes, et caetera e tal, e não como antigamente, um tempo de fado e de desventura que não augurava nada de bom. Mesmo que não se tenha tudo aquilo de que se gosta (também não há dinheiro para tal). Até porque, como dizia o Eça, quando não se tem aquilo de que se gosta é necessário gostar do que se tem. Viva o Esgaio!

 

Tenor "Tudo ao molho...": Bruno Tabata

tabata.jpg

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 13.01.2022

    Obrigado, caro Luís. Só falta mesmo podermos dizer que o Sporting está bem servido de Rubens (assim mesmo, no plural). Já temos o Amorim, tem a palavra agora o Vinagre (ele que não vá aos azeites com as críticas que tem tido e recupere a melhor forma que o chegou a destacar na Premier League).

    Um abraço leonino com elevada consideração.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes

    • Pedro Azevedo

      Essencialmente, Fernando Santos é um treinador ama...

    • JG

      No que à AT diz respeito o Selecionador pode estar...

    • Pedro Azevedo

      Sim, Jose, a prevenção de conflito de interesses é...

    • Pedro Azevedo

      Caro JG, palavra de honra que não me lembro de uma...

    • JG

      Caro Pedro Azevedo á uma sensação geral de desapon...