Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Castigo Máximo

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

Castigo Máximo

18
Abr20

Uma crise que é uma oportunidade


Pedro Azevedo

Qualquer crise, seja ela económica, financeira ou sanitária, constitui uma ameaça. Mas é também uma oportunidade, uma forma de reinvenção, renovação, renascimento. Quantas reformas necessárias não ficam na gaveta, vencidas pela inércia e por interesses individuais que não se conjugam com os de um todo, à espera de uma oportunidade como esta? 

 

No caso particular do futebol português urge criarem-se condições para que o produto possa ser mais vendável nacional e internacionalmente, atraindo operadores de televisão além-fronteiras interessados na divulgação da nossa Liga e novos patrocinadores associados. 

 

Em primeiro lugar, há que dotar de outra competitividade o nosso principal campeonato. A Primeira Liga tem de ser o nirvana para quem a alcança e não o purgatório para os clubes do meio da tabela para baixo, sempre numa luta pela sobrevivência desportiva e financeira. Questões como as de uma melhor distribuição das receitas ou do redimensionamento do número de clubes na elite à nossa realidade demográfica serão importantes discutir, assim como as da reorganização dos calendários competitivos ou da eficácia dos regulamentos e transparência, integridade e equidade das decisões arbitrais e disciplinares. 

 

Evidentemente, tudo isto só será possível se tivermos pessoas à frente da Liga de Clubes mais preocupadas com a capilaridade do futebol português do que com a cera para o seu cabelo, empenhadas em garantir a idoneidade e qualidade do produto e dispostas a promovê-lo nesse pressuposto e sem receio de ficarem sem emprego, com sentido de "estado". É que um político preocupa-se com a próxima eleição, um "estadista" deve preocupar-se com a próxima geração, com a sustentabilidade. Que avancem as necessárias reformas!

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Pedro Azevedo 18.04.2020

    Ora bem, não há problemas que sejam inultrapassáveis para além da morte e dos impostos. Os financiamentos não são reestruturáveis? Logo, os contratos televisivos também. Este momento que vivemos de crise sanitária é o melhor? Não. Por outro lado podemos ir preparando tudo o resto a fim de que tal seja possível. Era importante termos uma meta, um objectivo de uma verdadeira Superliga, disputado por 12 equipas a duas voltas, seguido de play-off e play-out de 6 equipas cada (a duas voltas), com os pontos a acumular. Seriam 32 jogos (apenas menos 2 que no contexto actual, com muito maior competitividade e interesse de cobertura dos media e espectadores). Depois haveria uma Segunda Liga nos mesmos moldes. A partir daí poderia haver ainda uma Terceira Liga nacional, ou talvez melhor por questões económicas, uma Terceira Liga dividida em zonas que correspondam a regiões que sejam próximas entre si. E esse objectivo devia ser fixado a 3-5 anos, preparando-se as competições nesse sentido. Por outro lado, temos uma situação um pouco atípica, com direitos espalhados por várias operadores. Isso parece-me pouco vendável para o estrangeiro. Penso que os direitos deveriam ficar na posse de uma operadora, o que facilitaria a venda em pacote internacionalmente. Isso poderia acontecer por recompra de direitos por parte de uma operadora, através da criação de um consórcio de transmissões onde as quotas de cada operadora fossem equivalentes aos direitos que possuem, ou simplesmente por venda a uma nova entidade que surja atrás do renovado interesse da competição.
  • Sem imagem de perfil

    Hugo Boss 18.04.2020

    Caro Pedro Azevedo,
    Concordo com tudo que escreveu, mas depois lembro que estamos a falar do futebol português e seus dirigentes: https://desporto.sapo.pt/futebol/primeira-liga/artigos/clubes-propoe-alargamento-da-i-liga-para-20-clubes-em-202021 (clubes do Campeonato de Portugal) .
    Teria que ser assim para mudar algo: https://desporto.sapo.pt/futebol/la-liga/artigos/governo-espanhol-aprova-centralizacao-dos-direitos-de-televisao
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2020
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2019
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2018
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D

    Castigo Máximo

    De forma colocada, de paradinha, ou até mesmo à Panenka ou Cruijff, marcaremos aqui a actualidade leonina. Analiticamente ou com recurso ao humor, dentro ou fora da caixa, seremos SPORTING sempre.

    Siga-nos no Facebook

    Castigo Máximo

    Comentários recentes